Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

BASILICES HORTíCOLAS

 

Gloriosa inflorescência do regime deposto, o actual camarada Basílio Horta deu um ar da sua graça na SIC, a convite do tipo do lacinho que é patrão da “economia” do “Expresso”.

 

Ficàmos, por ele, a saber que o PS, partido de sua terna afeição, jamais irá além dos compromissos que subscreveu com a trempe. Jamais!, como diria o celebérrimo Lino. E até, frisou a hortícola criatura, essa da TSU, mesmo assinada negociada e assinada pelo chefe Pinto de Sousa, é coisa que tem que ser vista.

“Eu sou anti-liberal!”, vociferou Basilio. Tal e qual o Doutor Oliveira Salazar, desta vez em versão proto-socialista.

Confessa-se basilarmente “democrata cristão”, coisa quase tão ultrapassada como o socialismo esquemático do MPLA.

 

Não se perde nada em olhar um pouco para o percurso deste grande democrata. Fundador do CDS, partido anti-socialista, ministro não sei de quê, homem da AD - organização anti-socialista -, candidato a presidência da Republica contra os socialistas, o homem atravessou uns tempos num limbo, depois foi nomeado pelo senhor Barroso embaixador na OCDE – parisiense refrigério! – e por lá tratou de continuar sob a tutela do senhor Pinto de Sousa.

Tão grato este ficou pelo universalmente admirado consulado hortícola em Paris, que o chamou para o comando da agência comercial do regime pintodesousista, onde se gaba de ter feito mundos e fundos, coisa que não se nota mas que deve ser uma insofismável verdade socialista.

Depois, foi fácil. Tratando-se, como gloriosamente afirma, de um democrata cristão, nada melhor que passar a deputado socialista. Não. Não se tratou de aceitar um empregozinho qualquer. tendo sabiamente preveisto a chegada de outra ordem de coisas, é certo que pensado que o tachinho viria a estar em causa. Daí, douta decisão, lá vai ele para o parlamento pela mão do seu bem amado chefe.

Estão a perceber?

E bonito, cristalino, admirável. Não e?

 

Apesar desta gente que ganhou as eleições, “somos forçados a ter uma perspectiva positiva”, informa-nos o notável Basílio. Tem razão. Pelo menos no seu caso, em vez de ficar no desemprego, fica na Assembleia, o que é extremamente positivo.

Mas, avisa, não se pode abdicar da “crítica” e dos “princípios”. Que princípios, não esclareceu nem nos é dado imaginar quais sejam.

Os ministérios actuais são “ingeríveis”, aponta. E esclarece que, quando ele lá esteve, com dois ou três ministérios, a coisa era diferente. Sendo ele o ministro, então tudo era gerível, e bem!

Estão a perceber?

 

E mais opina que, ao contrário do que se passava no tempo dele, agora é preciso acabar com a chusma de assessores, de motoristas e de contínuos que assolam os gabinetes. Tem toda a razão. Estes tipos não merecem tais mordomias, como ele merecia.

Estão a perceber?

 

Retirar o Estado da economia, jamais! Mais uma vez, animado por doses industriais de linolina, o homem, qual Jerónimo, qual Louçã, qual Mussolini, recusa essa abominável e liberal intenção. Trata-se de “princípios”, gaita!

Estamos perante “uma experiência em que não alinharei”, disse, do alto da sua doutrinária dignidade, peremptório e esclarecedor. Fiel ao socialismo. Coerente. Credível. Em suma, admirável.

 

O IRRITADO, alma entregue a liberais demónios, passou vinte minutos a ouvir o senhor Basílio com vontade de vomitar.

O IRRITADO tem, de ideias, de princípios e de coerência um conceito totalmente viciado e incompatível com basílios.

Não há nada a fazer.

Se não se põe a pau, o IRRITADO ainda vai parar ao inferno, empurrado por algum “democrata cristão” tão fundamentalista quanto o inigualável Basílio Horta.

 

27.6.11

 

António Borges de Carvalho

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D