Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

UMA TERNURA

 

De todo o país, bandos de alegres jovens, cheios de entusiasmo, convergem no verde campo. Os passarinhos pipilam, os regatos murmuram docemente, a fresca brisa deste suave Verão acaricia a juventude, dando-lhe força, ânimo, vontade de futuro.

Sob as frondosas e acolhedoras árvores, os jovens tomam posições, organizam-se, preparam-se com esmero para passar uns dias em contacto com a natureza e em ameno e sadio convívio.

Estabelecem as fronteiras do seu refrigério, fronteiras que não são limites mas convidativo sinal a marcar a sua feliz presença e a chamar outros para com eles viver os momentos únicos do seu bucólico beau séjour.

Amantes da Natureza, preocupados com o ambiente e com os destinos da Mãe-Terra, os nossos jovens tudo limpam, tudo arranjam, nem o mais pequeno sinal da sua passagem perturbará, quando se forem, a pureza de tão idílico local.

 

À porta do acampamento, desfraldada, uma delicada bandeira, fremente, ostenta a face heróica do camarada Ernesto Guevara, mais conhecido por Ché, a indicar às gentes a altura moral e cívica do que ali se passa.

Pelos ares, os altifalantes ecoam a branda e meiga voz de meninas pedindo em casamento outras meninas, e a destas, a gritar bem alto o mimoso sim. Os montes e as ervinhas parecem rejubilar, tocados pela meiga sensação do amor das inocentes criaturinhas, tão deleitadas em afirmar os seus direitos e aspirações.

Pelas aprazíveis sombras ondulam rapazes, leves, saltitantes, jubilosos. Como quem distribui olorosas flores, os meninos tiram, de uns cestinhos de verga, tubos de gel lubrificante anal/vaginal e preservativos, produtos bem marcantes dos seus direitos e irreprimíveis ideais, e oferecem-nos, cheios de amor, aos seus camaradas, meninos e meninas.         

Uma alta dirigente da organização, prenhe de entusiasmo, verifica que não poucos jovens, imbuídos do espírito da comunidade, “saíram do armário” no acampamento, isto é (presume-se), deram vazão ao gel.

 

Não se pense que esta exemplar juventude se fica por aqui. Reunidos em círculo, qual távola redonda, cheios de unção, discutem os ingentes problemas das sáficas e larilais práticas que urge defender, propagandear e impor, como sinal evidente da verdade e do direito ao lesbianismo e aos prazeres rectais, e suporte dos inalienáveis direitos dos seus praticantes e, de um modo geral, dos portadores de deficiência sexual congénita ou adquirida.

Dando largas à sua inteligência privilegiada, os campistas, “recuperam Marx” e “reflectem sobre a intervenção do FMI”. “Aqui”, diz uma púbere menina, “ninguém fala por cima de ninguém”. Pois não.

Há até umas italianas que produzem representações teatrais destinadas a “caricaturar o comportamento da sociedade face à homossexualidade”. Lindo.

“Não fiques à rasca, revolta-te” e “repressão policial é terrorismo social”, são dois exemplos das máximas que animam o pessoal, em grandes dísticos, entre as frondosas árvores.

Como o recurso à bela face do Ché bem demonstra o acampamento tem uma “dimensão política”, que fica a matar com “música palestiniana”.

 

Uma delícia, esta juventude. Como se pode imaginar, a Pátria anseia pelo seu contributo, teórico e prático. Vai ser lindo vê-los crescer animados por tão altos ideais.

 

*

Texto concebido a partir de uma reportagem do “Público” sobre o acampamento de Verão da juventude do Bloco de Esquerda.  

 

26.7.11

 

António Borges de Carvalho

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D