Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

INIMGOS PÚBLICOS

 

Não, meus senhores, não vou falar do maluco do norueguês, o post é sobre a Câmara de Lisboa.

  

Aqui há tempos contaram-me uma história, garantindo que era verdadeira. Eu acredito. Se não é verdadeira é bem achada e perfeitamente possível.

Um cidadão de Lisboa queria abrir uma janela numa parede cega que tinha lá em casa. Dirigiu-se à câmara municipal, onde consultou departamento competente. Nem pensar - foi a resposta - nem pensar em alterar as características arquitectónicas do construído!

Insatisfeito com esta resposta, o cidadão apresentou um projecto para fechar a inexistente janela. Nem pensar!, foi a resposta. O projecto foi liminarmente chumbado. postas as coisas nestes termos, o cidadão mandou abrir a janela sem que ninguém o chateasse. Tudo dentro da mais estrita legalidade!

 

Pois bem, isto é um exemplo de como funciona a câmara de Lisboa. Um pequeno exemplo, mas muito exemplar, passe o pleonasmo.

Todos sabemos que, para fazer umas obrecas de chacha, a câmara exige ao incauto cidadão tantos papéis e põe tantas dificuldades, ou mais, que as que poria se se tratasse de uma torre de vinte andares no Marquês de Pombal.

Mesmo que a obra de chacha, mais ou menos dois anos depois da abertura do processo, venha a ser licenciada, é tanta e tão crescente a burocracia – hoje em dia apoiada por inúmeros mabecos privados que vivem da proliferação de regulamentos - que, se conseguir ter a licença de utilização dez anos mais tarde, está cheio de sorte.

Vivemos no esplendor do “simplex” lisboeta!

 

Mas… meus amigos, isto acontece se for você a querer mudar a latrina para o lugar do bidé e abrir uma porta nova para a dispensa.

Porque, se você for o Corte Inglês, como aconteceu nos tempos da câmara social-comunista, pode fazer as obras que entender, sem, sequer, precisar de licença, e mesmo que a construção careça de mínimos de segurança, como acontece com a espiral de acesso aos estacionamentos do dito.

E se, como está acontecendo nos nossos dias a umas senhorias que têm a desgraça de ser proprietárias de um prédio no Rossio, você for um “proprietário parasita”, na feliz expressão do senhor Costa e de um tal Salgado, seu vice, está frito. Os tipos tomam-se de amores pelo seu inquilino, licenciam as obras que ele quiser fazer naquilo que é seu sem lhe pedir autorização, ou deixam-no fazê-las mesmo sem licença e, se você protestar, passa automaticamente à já referida parasitária categoria. Tudo em nome da “reabilitação urbana.

É isto o que se passa, como o IRRITADO já teve ocasião de referir, com o chamado International Design Hotel, à esquina da Rua da Betesga com o Rossio: 1620 m2, pelos quais o heróico inquilino paga a fabulosa quantia de 611 euros mensais, renda de um apartamento T2.

No parecer do banditismo camarário, o inquilino é merecedor dos maiores aplausos e apoios, não precisando, nem de licença do senhorio para fazer as obras que entender, nem de alvará, nem de vistoria, nem de licença, nem de coisa nenhuma! É fazer as obras, pôr o hotel a funcionar, e pronto!

 

A justiça socialista numa das suas mais brilhantes expressões.      

 

27.7.11

 

António Borges de Carvalho

2 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D