Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

LEGÍTIMAS PREOCUPAÇÕES

 

Simples e, pelo menos teoricamente, uma fundação é uma organização que é dotada de capital pelos respectivos fundadores a fim de prosseguir determinados objectivos. A administração desse capital é entregue a uma gerência, a qual tem a obrigação de, através do seu rendimento e da criação de receitas próprias, cumprir os objectivos que a fundação se propõe realizar.

Por outras palavras, uma fundação dispõe dos meios que os seus fundadores lá quiserem empatar, e de mais nada que não seja obtido a partir de tais meios.

Por não se tratar de uma empresa que distribui dividendos, mas de uma organização que aplica as suas receitas, de capital e de actividade, ao prosseguimento dos seus próprios fins, tem um regime fiscal especial e goza de “utilidade pública”.

 

Vem isto a propósito do Parque Arqueológico do Côa e do respectivo museu.

Os trabalhadores da organização andam preocupadíssimos com o futuro e já o fizeram sentir à tutela. É que coisa vai passar a funcionar no regime de fundação e deixar de ser encargo da administração pública.

O Estado e as autarquias, quer dizer, nós, enterraram ali uma incalculável quantidade de milhões, a começar por aqueles que o inteligentíssimo Guterres deitou fora ao acabar com a barragem, já em adiantados trabalhos, por causa dos bonecos na pedra, a continuar na construção de um gigantesco mamarracho, tudo desde a primeira hora acompanhado pelos respectivos custos (permanentes) de estrutura e manutenção, e a terminar numa colossal, obviamente bem custosa, organização: a tal cujos trabalhadores andam legitimamente preocupados por ver passar a fundação, isto é, passar a ter que viver com o pêlo do cão em vez de mamar o que lhe for conveniente do orçamento do Estado e das verbas autárquicas.

Desde os primeiros tempos não havia quem não soubesse no que a estupidez do governo de Guterres ia dar.

Agora, que os custos da barragem andam para aí a ser cobrados aos nossos bolsos sem qualquer retorno, que o preço do mamarracho deve estar pendurado numa rubrica qualquer, e que a coisa, evidentemente, não gera receitas para poder funcionar, ai que a fundação tem todas as condições para se afundar!

Os preocupados têm razão. Meteram-se numa coisa que, garantiram, viria a ser um sucesso, mas não é sucesso nenhum, como se metia pelos olhos dentro de quem não fosse completamente estúpido, desprevenido ou interessado.

De um momento para o outro, os ilustres arqueo-trabalhadores vêm tudo a ir por água abaixo já que, pelo seu trabalho e usando as fortunas que com eles foram gastas, não vão lá. O dinheiro some-se, as receitas não são o que imaginaram e, mais tarde ou mais cedo, fecha o mamarracho e os tipos vão para casa. Safam-se as gravuras, isto se os vilanovafozcoenses não decidirem dar largas à sua justa e contida fúria por terem ficado sem a barragem, e não derem cabo delas à picareta.

 

E daí? Estamos em Portugal! Podem os preocupados ficar descansados que, perante a vergonha de tudo aquilo ir para o galheiro, podem aparecer umas verbas, a registar na dívida pública, para dar continuidade a tão meritória obra.

Não se assustem. Se calhar ainda não é desta que vão ficar a braços com as vossas responsabilidades.

 

31.7.11

 

António Borges de Carvalho

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D