Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

CAVACO E A TRAIÇÃO POLÍTICA

 

Quem, ao longo dos anos, tem feito o favor, ou a asneira, de ir acompanhando as opiniões do IRRITADO, talvez se lembre da forma pouco entusiástica com que acompanhou as presidenciais e como, com uma mão a tapar os olhos, foi votar no Doutor Cavaco Silva - como o Cunhal fez com o camarada Mário Soares.

O objectivo era, evidentemente, evitar a subida ao poder do intragável Alegre. Não há lugar a arrependimentos. Se o candidato da aliança BE/PS fosse eleito, a estas horas estaríamos mergulhados sabe-se lá em que águas, certamente num charco de paspalhices pseudo-democráticas, que muito caro nos custariam.

Visto, porém, o que se tem passado, haverá que concluir que, fosse o challenger alguém merecedor de uma ponta de credibilidade, o IRRITADO, a estas horas, arrepelava os cabelos por ter votado como votou.

O IRRITADO conhecia o Professor e sabia qual o seu estofo. Mas jamais imaginou que pudesse ir tão longe, por omissão, primeiro, por acção, depois.

 

Durante o primeiro mandato, diante do indiscutível descalabro nacional para que a “gestão” do senhor Pinto de Sousa nos arrastava, dizia o IRRITADO, como muita gente e com carradas de razão, que o Doutor Cavaco sacrificava tudo, mas tudo, inclusivamente a viabilidade da Nação – o que veio a verificar-se - às suas hipóteses de reeleição.

Assim foi. O PR aturou, aguentou e coonestou o inaturável, inaguentável e incoonestável sem tugir nem mugir. Se excluirmos a guerra com os Açores, em que, ainda que com razão, falou desproporcionadamente alto, bem como a ridícula história da “espionagem” em que meteu os pés pelas mãos e se ia tramando, nunca Sua Excelência incomodou a fímbria das vestes do senhor Pinto de Sousa. Deixou passar tudo o que lhe puseram à frente sem um gesto, sem uma palavra, sem uma sugestão de desacordo ou de protesto. Precisava de votos na área dos flutuantes entre o PS e o PSD, não é? Pois é.

Agora, tudo mudou. Mal o governo diz uma coisa, aí vem ele, armado ora em moralista ora em técnico, dizer o contrário. Além disso, dedica-se a fazer guerra à dona Ângela – longe do IRRITADO defender a criatura! – e a tudo que anda por aí – na Europa - como se o que anda por aí se incomodasse com as suas tristes bocas.

No fundo, o Doutor Cavaco nada tem contra a dona Ângela. Mas, como o governo não tem outro remédio senão ir fazendo o que os mandatários e associados dela, bem ou mal, exigem, o Doutor Cavaco, a bem do espelho onde orgulhosamente se mira e admira, serve-se da dona Ângela para atacar o governo.

A coisa vem atingindo níveis absolutamente imorais. Chega ao ponto de mandar a dona Manuela morder as canelas do governo, o que não teria grande importância se não se percebesse que a senhora outra coisa não faz que não seja aviar receitas de Belém.  

Tudo pelo lado mais fácil, mais imediato e mais populista, o que torna a cruzada particularmente imoral. É o recurso permanente à revolta dos “mais fracos”, tipo maquinistas da CP, é, quer se queira quer não, quer se diga quer não, o apoio aos vascos, aos otelos, aos “indignados”, aos silvas, aos carecas da UGT e a quejandos. Tudo o que há de mais imediato lhe serve, tudo o que pode fazer vir à crista da onda o seu incomensurável ego, com todos os defeitos humanos e políticos, tantos!, que as pessoas, sobretudo as mais velhas, lhe conhecem de longa data.  

 

Que saudades, meu Deus, de um futuro sonhado em que o Chefe do Estado, um Rei, ou até um Presidente, pudesse representar a Nação, como acontece na esmagadora maioria dos países que nos são próximos!

 

Nada de bom pode a traição cavaquista (traição, mais que ao partido que chefiou, a todos nós) vir a trazer-nos. Cada dia que passa o homem acelera, sedento de primeiras páginas - como, sem as responsabilidades do PR, vai fazendo o camarada Soares.

 

Les bons esprits se rencontrent. Não é?

 

27.11.11

 

António Borges de Carvalho

11 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub