Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

EMIGRAÇÃO

 

Em tempos idos, os professores dos liceus eram licenciados que faziam umas cadeiras a mais, as chamadas “pedagógicas”. As licenciaturas, por seu lado, eram, no mínimo, de 4 anos.

A chamada democratização do ensino trouxe ao universo escolar, e ainda bem, muito mais alunos. Isto obrigou a recrutar professores de forma mais expedita. As licenciaturas passaram a ser mais curtas e a poder ser interrompidas ao fim de dois anos, seguindo-se uma coisa a que, salvo erro, se deu o nome de “via do ensino”. A preparação para a universidade, por seu lado perdeu qualidade e, em consequência, também os cursos. Uma verdadeira diarreia de opções inundou o ensino universitário, muitas delas totalmente desfasadas de qualquer lógica e de qualquer futuro ou empregabilidade. O sistema, pela negativa, perdeu qualidade. Pela positiva, muito aumentou a literacia.

  

Depois, do numerus clausus de há uns anos, passou-se rapidamente à carência, não de oferta, mas de procura de ensino.

As consequências da evolução dos costumes, potenciada pelo Estado com a facilitação do divórcio, a não necessidade de registo das uniões, os incentivos ao aborto e tantas outras “medidas”, bem como a desvalorização do conceito de família levada a extremos da mais radical insensatez, contribuíram para inchar a tendência egoísta dos tempos modernos e a irresponsabilidade social galopante, pondo a procriação em plano menor.

Passadas quase duas décadas deste tipo de políticas e de ideias “modernistas”, as suas consequências fazem-se sentir com brutalidade. A procura de ensino emagrece todos os dias. Se não há procura, para que servem tantos professores, tantos funcionários, tantas escolas - incluindo as fruto das loucuras do último governo. Para que serve um sistema dimensionado para uma sociedade que já não existe?

 

Vem isto a propósito das declarações do Primeiro-Ministro sobre o futuro sombrio dos professores desnecessários. Mais ou menos assim: reciclem-se ou emigrem, não faltam ofertas de emprego nos países em crescimento demográfico. À primeira vista, parece que Passos Coelho está a correr com as pessoas, a confessar algum falhanço, a desrespeitar os cidadãos e o país, que é o que por aí se badala. Não está. Está a ser realista, a dar um sinal de bom senso, a apontar um caminho, a dar bons conselhos, a dizer a verdade, por dura que ela seja. O que podem fazer pessoas de cultura média e muitas vezes indiferenciada ao ponto de não ser útil a ninguém em Portugal? Têm que procurar mercados onde as suas aptidões tenham procura. Se tiverem coragem, diga-se sem crueldade nem desprezo, acabam por agradecer à crise o êxito na vida, como tem acontecido com tantos milhões de portugueses.

É pena? Claro que é. É duro? Evidentemente.

Mas não se pode, ou não se devia poder, levar a mal que o PM diga a verdade ou aponte soluções.

Não foi ele quem criou a situação. É ele quem está a tentar ultrapassá-la.

 

19.12.11

 

António Borges de Carvalho

3 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D