Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

RUA, JÁ! III

O homem falou. Deixaram-no falar como quis. Disse de sua justiça.
Afinal era tudo mentira. Jamais se declarara engenheiro. Quando escreveu engenheiro na ficha não estava a escrever engenheiro na ficha. Quando se disse engenheiro nas sessões do aborto não estava a dizer-se engenheiro nas sessões do aborto.
O homem, afinal, tinha estudado sete anos-sete, aplicadamente, sem privilégios, sem ajudas, um esforço notável, boas notas, tudo nos conformes. O homem tratou de se valorizar, de aprender, de se preparar para dar à pátria o serviço desinteressado e competente que a pátria merece e humildemente lhe pede.
Pois é. Admito que o homem tenha razão. Quantos não estão nas mesmas condições? Que mal tem que o tratem por engenheiro, se é um tratamento de cortesia que nada tem a ver com as patacoadas da respectiva Ordem? Queriam que o tratassem por senhor licenciado em engenharia? Que diabo, convenhamos que não faz sentido.
Aceito tudo isto. Pecadilhos de muita gente, sem importância nenhuma. Só que muita gente não é primeiro ministro.
Só que o problema é que as suas mentiras e as dos seus acólitos ficaram escritas, preto no branco. Só que o problema é que passaram não sei quantas semanas em tergiversações, em alterações ao site, a meter os pés pelas mãos. Se a coisa fosse tão simples como o homem disse na televisão, toda a novela seria absurda. E não é.
Acresce que a história tem barbas. Há para aí um ano que cirandava na Internet (e não era anónima) sem que ninguém se lembrasse de esclarecer, sem que uma palvra surgisse sobre o assunto. Quando a coisa saltou para os jornais, ai. Quando a Independente entrou em colapso, ai.
 
Não há crime nenhum. Nem há nada que mexa na original legitimidade do homem. Mas, ao contrário do que disseram as luminárias da Quadratura do Círculo, há um problema de carácter. Isso há. Se há Democracia, isso paga-se. E paga-se indo para casa.
 
Senhor Engenheiro Pinto de Sousa, ou, se se quiser, Senhor engenheiro Sócarates? Porque não?
Aldrabices? Porque sim?
 
O homem falou. Para além do caso do momento, falou da sua obra. Falou como esquerdista primário que é, por muito que a estupidez da direita e dos comentadores encartados pense o contrário. Falou, expressamente, da prevalência do colectivo. Disse que não importa que cada um sofra dos desmandos do Estado, se o Estado se safar a si próprio. Deixou clara a sua “moral” anti-liberal e anti-indivíduo. Deixou claro que, muito antes da campanha eleitoral, quando se revoltava contra a política de contenção orçamental dos governos anteriores, já andava a aldrabar as pessoas, sem escrúpulo nem hesitação. A contenção orçamental, crime de Manuela Ferreira Leita e de Bagão Félix, passa a virtude quando é feita por ele. Os estrangulamentos que, na sua boca, tais políticas provocavam à economia, são motivo de progresso quando, com muito mais violência, são aplicadas por ele. A aldrabice dos 6,83% de déficit voltou-lhe à boca como se fosse a mais acabada das verdades. O pulo do déficit, nas suas mãos, é benesse para o futuro. A contenção, nas mãos dos outros, é um horrível engano. Ota passou de brilhantíssima opção a decisão de terceiros. Se a decisão foi má, culpa dos outros. Ele, coitadinho, só herdou.
Querem mais, quanto ao carácter do homem? Para quê?
 
Na ressaca da entrevista, o chefe do PSD veio pleitear em favor de uma auditoria às habilitações do homem, feita por uma comissão independente. Valha-me São Pancrácio. Então o ilustríssimo doutor Marques Mendes ainda não percebeu que o problema não é o das habilitações, mas o das mentiras?
 
Este país não tem conserto.
 
António Borges de Carvalho

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub