Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

O RELATÓRIO

 

 

Uma das muitas estatais inutilidades em que estamos mergulhados sem haja sinal de alguém, seja quem for, querer acabar com elas, é a chamada ERC, dirigida por Charlemagne, isto é, Carlos Magno em versão almadense.

 

A coisa lá vai vivendo e, às vezes, há quem queira pô-la a fazer alguma coisa. Foi o que aconteceu com o caso Relvas contra umas fulanas do “Público”.

Como o relatório emitido pela distinta coisa não acusou o Relvas de qualquer hediondo crime, erguem-se abalizadas vozes, às catadupas, contra o Carlos Magno, contra a ERC, contra a “governamentalização” da nobre instituição, a partidarização dos “reguladores”, o diabo a quatro. O relatório é uma bambochata, os tipos do PPD lá metidos, a começar pelo Magno, estão “feitos” com o governo, etc. e tal.

Haja alguém que defenda o relatório.

Vejamos.

As tipas do “Público” não podem provar as acusações. O Relvas não pode provar que as acusações das tipas são falsas. As tipas, que começaram por não publicar o que o Relvas não queria que se publicasse, acusam o Relvas de não querer que elas publicassem o que não publicaram, isto sem ceder a nenhumas pressões. O Relvas foi dando uma no cravo outra na ferradura, meteu os pés pelas mãos, etc. As tipas também. A heroína despediu-se ou foi despedida. Estão a perceber? Eu também não.

No meio desta pastelada toda, o relatório, afinal, é a única coisa decente. Que diz ele? Que o Relvas se portou pessimamente, que as tipas mais ou menos. O que o Relvas fez, ou terá feito, não foi manipulação tentada, ou “pressão”, quanto mais não seja por falta de provas. Nesta ordem de ideias, a ERC não tem jurisdição na matéria.

Tudo isto está certo. O que a ERC fez foi, primeiro, classificar as investidas do Relvas de forma dura e claríssima. Depois, considerar que não tinha competência estatutária para tomar fosse que atitude fosse. Finalmente enviou o relatório para a única esfera competente: a política.

É na esfera política que está o problema. Era na esfera política que devia ter havido decisões.

Quando Passos Coelho se atravessou a defender o seu importante amigo – o que, como amigo, lhe fica bem – cometeu um erro colossal.

É que, no meio da pessegada, uma só atitude certa haveria: convencer o Relvas a tomar a decisão “pessoal” de sair do governo. Compreende-se que, por muitas razões, fosse difícil para ambos. Mas não havia outra coisa a fazer. As consequências de o manter vão ver-se a médio prazo, e vão prejudiciais para o governo e para todos nós.

 

Enfim, o que está feito está feito. Mas não me venham dizer que a culpa é do relatório. A ERC portou-se bem, fez o que podia, mesmo sabendo, sem margem de dúvida, a tempestade que a seguir viria, o gozo dos comentadores, as tremendas acusações dos tipos do PS – os mais adestrados manipuladores de opinião de todo o mundo civilizado – a indignação das almas castas e puras sempre prontas a fomentar a cizânia.

 

Nada disto quer dizer que o IRRITADO apoie, agora, a existência da distinta organização que dá pelo nome de ERC. Ela, como a como tantas outras das suas congéneres, nunca devia ter nascido.      

 

23.6.12

 

António Borges de Carvalho

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub