Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

ABRUNHOSA

 

O IRRITADO viu o Abrunhosa pela primeira vez em fotografia de jornal. O homem lá vinha escarrapachado, amarrado com correntes ao portão de um teatro que a Câmara queria entregar – em boa hora entregou – à exploração comercial.

Este tipo é parvo, pensou o IRRITADO com carradas de razão.

Em pessoa, o IRRITADO viu-o e ouviu-o, pela primeira e última vez, na passagem de ano 1999/2000, no Estoril, num palco ao ar livre. Achou piada à exibição. Este gajo é parvo, mas tem jeito para estas cantorias meio malucas.

Uns tempos depois, foi ao Porto visitar um casal de amigos - ela já lá vai, ele desapareceu da circulação – que vivia num magnífico casarão, julgo que do séc. XIX, na margem esquerda, com anexos para pessoal, garagens, um enorme jardim, relva a perder de vista, árvores centenárias, obras de arte, etc.

Disseram-lhe que, por razões que não vêm a propósito, iam vender a casa, ou melhor, que a casa tinha sido posta à venda e que já tinha aparecido um comprador. O IRRITADO não perguntou o preço, mas comentou que, para comprar uma casa daquelas, só um milionário, daqueles que, no Porto, há com fartura. Ao que lhe responderam que o comprador era nem mais nem menos que o conhecido badaleiro Pedro Abrunhosa.

O IRRITADO ficou de boca aberta. Esse gajo? Mas esse gajo é um esquerdista do caneco e, pela maneira como se faz aparecer, não deve ser o género de gostar de uma casa destas! E os óculos escuros? Querem mais piroso? O tipo será vesgo, ou é só parvo?

Foi então explicado que o dito rapaz é um “filho família” lá do Norte e que, julgava o casal, cultivava uma imagem pública que nada tinha a ver com o que ele, na verdade, era. E que ganhava bom dinheiro com as badalices.

Afinal o fulano não é tão parvo como eu julgava, cogitou o IRRITADO.

E nunca mais pensou no assunto.

 

Até hoje. O inigualável “Expresso” abriu uma secção de entrevistas com personalidades da “cultura” parangonando uma data de fotografias da criatura, todas elas a provar à saciedade que, afinal, o tipo é mesmo parvo.

O feroz esquerdista, estranhamente, diz que, para estar informado sobre política, lê o “Economist”, "em viagem", mas que não sabe o nome dos articulistas que o deliciam. Notável afirmação. É que, como sabe qualquer alma que folheie a revista, os artigos nela publicados não são assinados. Ora se o Abrunhosa falasse verdade sabia que não sabia os nomes dos ditos e não precisava de se desculpar! Prova provada que o que o parvo queria dizer era a) que lia inglês e b) que tinha preocupações intelectuais, as quais satisfazia com a leitura do “Economist”, coisa que, evidentemente, jamais leu. Em boa verdade, não se entenderia que este luminar da nossa cultura e da nossa esquerda se cultivasse com uma revista liberal como há poucas. A não ser que quisesse informar-se sobre a argumentação do inimigo!

A entrevista, valha a sinceridade, põe a nu o tal Abrunhosa de que falavam os meus amigos lhe iam vender a casa.

O homem vendeu boa parte da sua carteira de investimentos em 97, quando começou a cheirar-lhe a crise, via consulta da imprensa, “em Nova Iorque”. Não diz o valor, mas confirma que era de molde a causar-lhe “preocupação”. Não fala no que factura porque prefere “que isso fique reservado”. É normal: segundo diz, tem uma relação conflitual com o fisco.

No meio de uma prudente confissão de fortuna, Abrunhosa continua a defender a “Revolução”, com “cabeças de fora”, “quantos corpos no porão”, coisa que o leve - e às massas, presume-se – a “ser dono do Cristo-Rei”.

Entretanto, como a revolução teima em não vir, o homem, que “investiu no imobiliário” está agora mais virado para “produtos financeiros tradicionais”.

Fiquemos por aqui, embora muito mais lições se pudesse tirar da entrevista. Um esquerdista exemplar!

 

Aos leitores o desafio de tentar perceber se o homem é parvo ou não, ou até onde é parvo e desde onde deixa de o ser.

 

15.7.12

     

António Borges de Carvalho

7 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub