Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

NOTINHAS PARA AS FÉRIAS

  

Aqui há dias, o IRRITADO almoçou com uns brasileiros, gente “da alta” lá do sítio. Como é natural, a necessidade de fazer conversa levou a considerações várias sobre as formas diferentes de falar português em Portugal e no Brasil. Veio à baila, como não podia deixar de ser, o repugnante Acordo Ortográfico.

O IRRITADO entrou com aquela dos espetadores em vez de espectadores. E disse que não queria ser como os brasileiros, que andam a espetar em vez de ver, ou assistir. Isto provocou uma risada de espanto. É que, disseram os brasileiros, lá na terra deles, como cá antes do acordo, se escreve espectador e se diz espectador com o E bem aberto e o C claramente pronunciado. O que quer dizer que por cá, quando se trata de asnear, somos os maiores!

No seguimento da conversa, ficou o IRRITADO a saber que, no Brasil, a começar na classe AAA e a acabar na ZZZ, não há uma só alma que, em relação ao AO, ponha sequer a hipótese de o pôr em prática ou de o respeitar. E a grande maioria nem sabe que tal coisa existe.

Anda este país a gastar fortunas em novas gramáticas, novos livros escolares, novos dicionários, etc., por causa de uma porcaria que não vale a ponta de um corno, até para aqueles teoricamente beneficiados com ela. Anda este país a vender aos africanos, aos timorenses, aos macaístas, o raio de uma palhaçada que nada lhes interessa, antes pelo contrário, já que escrevem português na versão portuguesa e se estão nas tintas para a estupidez dos nossos “linguistas”, dos nossos “académicos” e dos nossos políticos que se deixam levar por tretas do calibre do AO. 

Andam os alunos e os professores à nora sem saber o que fazer, e continua a haver uns pataratas a fazer propaganda “oficial” ao coiso.

 

*

 

Por falar na língua, ocorre comentar os infinitos, coisa maltratada por quase toda a gente, a começar por esse luminar da gramática que se chama Edite Estrela, a acabar no Saramago e no Lobo Antunes, percorrendo todos os livros, jornais, telejornais etc..

Numa palavra, trata-se do velho dito “os cavalos a correr, as meninas a aprender”, em novíssima versão: “os cavalos a correrem, as meninas a aprenderem”.

Passo a explicar. Em remotos tempos - quando ainda havia algum respeito pela língua - os infinitos pessoais eram usados em raras formulações sintáticas. Como, aliás, acontece em todas as línguas latinas.

Agora, é assim: “eles foram à bilheteira para comprarem os bilhetes” - um complemento circunstancial a concordar com o sujeito! “e tu Maria Adelaide a desistires na cama” (Lobo Antunes) – um infinito regido por preposição, com valor de gerúndio, no plural!; “vendem-se andares” – o verbo a concordar com o complemento directo, não com o sujeito (indeterminado, singular)! até o primeiro-ministro diz "que se lixem as eleições" em vez de "que se lixe as eleições".

 

a dona Telma Monteiro que, segundo o DN de hoje, chorou compulsivamente depois de perder um combate?

 

E os pleonasmos dos comentadores? “Eu pessoalmente”, “parece-me a mim”, todos os dias na televisão, às centenas, em todos os canais, ou canis.

 

Se o IRRITADO tivesse pachorra para ler, tim-tim por tim-tim, um só jornal que fosse, encontraria destas coisas às centenas, ou aos milhares.

 

Não há nada a fazer. Já ninguém sabe a sua própria língua.

 

*

 

Anda para aí um “escândalo” dos diabos com a história dos ricos. Parece que há um tipo que tem dois mil milhões, outro mil e tal, e uns tantos umas centenas.

O patarata cidadão fica a pensar que os tipos têm, género Tio Patinhas, cofres e cofres cheios de dinheiro, de preferência roubado. O leitor comum fica a digerir a ideia, repetida por toda a parte, do fosso entre ricos e pobres. Os incautos ficam a achar que os tipos não passam de uma corja de gatunos.

E, no entanto, os nossos milionários, se comparados, por exemplo, com os dos países nórdicos – para falar em países cheios de “justiça social” – são uns tesos, coitadinhos. Muito, muito tesos.

Há nisto vários equívocos que alimentam - de propósito! - a ignorância dos invejosos, que são quase toda a gente neste país de ignorantes.

Primeiro, os tais ricos não têm a massa na gaveta. Têm empresas, acções, patrimónios vários, coisas que, literalmente, não são o metal que tilinta em ignaras imaginações. Segundo, empregam pessoas que não têm, como eles, talento para criar riqueza. Terceiro, assim como nós estamos mais tesos, eles estão menos ricos. Quarto, o que eles têm, ou dominam, ou gerem, não tem nada a ver com o tal fosso na distribuição da riqueza, que é outro problema. Quinto, saquem-lhes a massa, distribuam-na pela malta, e vão ver onde a malta vai parar. Sexto, se os nossos mais ricos fossem tão ricos como os ricos suecos, noruegueses ou dinamarqueses, estávamos todos muito melhor.   

 

*

 

O “Expresso” tece loas à dona Isabel Moreira. Porquê? Porque a dona Isabel Moreira se demarca da “carneirada”, ou seja, dos outros deputados. Quer dizer, andar a asnear todos os dias é coisa óptima. Não interessa a substância do que a mulher faz. O que interessa é que faça coisas, boas ou más, que contrariem os demais.

 

*

 

Máximas do oco:

“Não fui eu, pessoal ou politicamente, que assinei o memorando”.

“O Sr. PM escolheu um caminho. Desejo-lhe boa viagem, mas vai sozinho”.

“O governo e a troica têm estado do mesmo lado e o PS está do outro”.

O rapaz Seguro afirma assim a sua magnífica pessoa. Primeiro, como não foi ele a pessoa que assinou, acha que a troica nada tem a ver com o PS. Faz lembrar uns ministros africanos que o IRRITADO conheceu. Segundo, acha que, como não assinou, os outros que se esfaniquem a cumprir o que o outro assinou. Ele está contra. Vão sozinhos. Vão lixar-se. Terceiro, como não foi ele que assinou, é contra. Ou seja, o Pinto de Sousa nunca existiu, o PS do Seguro é uma organização que nasceu com ele, o que ficou para trás era outra gente, em tempos em que a sua magnífica pessoa ainda não tinha vindo iluminar a Nação.

A isto se chama cobardia, irresponsabilidade, vazio mental, ou outras coisas muito piores.

 

*

 

Segundo o Diário de Notícias, o mais importante de todos os figurantes na abertura dos Jogos Olímpicos é PORTUGUÊS!

É que se diz que há um mulato, cujos avós consta terem sido portugueses e que, parece, ainda tem a nacionalidade. O dito apareceu intermitentemente durante sete minutos na tal coisa, a fazer não sei o quê, de chapéu de coco.

Fica recuperado o orgulho da Nação, tão mal tratado pelos seus improdutivos atletas. Somos ou não somos os maiores, hem?

 

*

 

(Paulo Portas) “não chama as televisões para protestar contra essa Cristas, criptossocialista que despreza a lavoura e está feita com os seguros e Seguros deste mundo?”

Esta frase basilar foi pronunciada pelo tristemente célebre Santos Silva. Pela primeira vez na vida o homem é capaz de ter razão. Não quanto ao Portas, mas a respeito da Cristas.

 

*

 

Por falar em Cristas, na crista da onda anda a promulgação da nova lei do arrendamento, coisa que vai dar uma pessegada de tal ordem que nem queiram saber.

Mais uma lei altamente socialista, produzida pela cripto senhora e asnaticamente adoptada pelo governo. A “filosofia” da coisa é a do costume. Quem pode pagar, paga, mas pouco, devagarinho e mediante um processo burocrático digno do Big Brother. Quem tem dificuldades não paga. Pagam os senhorios, coisa que andam a fazer há um século a esta parte. O Estado obriga-os a pagar, isto é, cabe aos senhorios cumprir o preceito constitucional que reza sobre o “direito à habitação”. E, como é evidente, os impostos aumentam sem ter nada a ver com resultados.

E ainda há quem fale em reabilitação urbana! Paleio de Rosetas e de Cristas. A reabilitação urbana não é para fazer, é um pretexto para expropriar e para cobrar mais impostos.

Aos senhorios, não ao Estado, compete pagar os direitos que a Constituição constituiu. Bonito!

 

*

 

Boas férias!

 

31.7.12

 

António Borges de Carvalho

7 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub