Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

ESCOLAS FASCISTAS


O senhor Aníbal Cavaco Silva, hoje, entre outras coisas, Professor Doutor dos propriamente ditos, andou na primária lá para os Algarves O secundário foi passado numa escola profissional. Depois, numa coisa que, se a memória me não falha, se chamava Instituto Comercial. Já homenzinho, ei-lo na universidade, depois a doutorar-se em boa escola britânica, e pronto. Daí catedrático. É o que se sabe.

Isto quer dizer que, tendo frequentado um curso profissional, ninguém lhe cortou as pernas quando resolveu, como tantos outros, seguir em frente. Se não tivesse querido fazê-lo, teria um profissão tão nobre quanto tantas outras: contabilista.

É claro que tudo isto se passava no tempo da ditadura. O senhor Cavaco Silva, ora Professor catedrático, não era “filho do regime”, não tinha nada a ver com a União Nacional, não tinha cunhas nem padrinhos, não era um “privilegiado”. Era um fulano oriundo da pequena burguesia da província e, que se saiba, sem orientações políticas.

Veio a democracia e, anquilosada a sociedade com uma interpretação canhestra do tenebroso princípio da “igualdade”, acabou com as escolas técnicas, assim cortando as pernas a muita gente, gente que quereria, se pudesse, entrar na vida profissional aos dezoito anos. Pelo contrário, viu-se reduzida, ou a não ter emprego que se visse, ou a trabalhar sem qualificações, ou a meter-se em universidades e “universidades” e a  tirar cursos que não conferem qualquer hipótese de valorizar o trabalho de cada um, isto se o aranjar.

Quase quarenta anos passados, regurgitando o país de diplomados maioritariamente falsos - doutores até Badajoz -, às novas gerações depara-se uma gigantesca crise de desemprego, em que os tais doutores não têm, nem emprego “compatível”, nem qualificações para exercer outras quaisquer profissões, sendo estas tidos por “menores”, pelo menos na opinião daqueles que berram pela “dignificação do trabalho”.

*

De repente, o governo descobre (irá a tempo?) que é preciso criar escolas técnicas.

Em vez de saudar a iniciativa, as forças ditas “progressistas” entram em histeria: trata-se de escolas “salazarentas”, do regresso ao “fascismo”, de mais uma investida da ideologia “neoliberal”, de um atentado à “igualdade”, o diabo a quatro.

É assim que o socialismo corta as pernas à sociedade ao mesmo tempo que diz querer melhorá-la.

À atenção das novas gerações, para que percebam o problema e saibam exigir em conformidade.

 

5.9.12

 

António Borges de Carvalho

2 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub