Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

A EDP, A GALP E O CUI

 

Uma hitorieta verdadeira.


Um cidadão recebe uma propaganda a dizer que a EDP passou a vender também gás natural. Como está a precisar de ligar o gás num sítio onde já tem electricidade, vai à EDP.

Após disciplinada permanência numa longa bicha, um fulano pede-lhe o número de contribuinte. Três segundos depois, o fulano lê o nome dele, a morada, o nº de telefone, o email, etc.. Afinal, sou muito conhecido cá na casa, pensa o cidadão. Depois realiza que está a papa toda feita para facilitar a vida ao Big Brother quando disso for caso.

O fulano, depois de saber ao que vinha o cidadão, fornece-lhe, gratuitamente!, um papelinho com um número. Comparando o seu número com o que está no olho do Big Brother, o cidadão vai comprar os jornais, senta-se numa pastelaria a beber uma bica e, acabada a leitura, volta à distinta EDP. Desta vez não teve que esperar muito. Chamado pela pantalha, dirige-se respeitosamente à menina número dez, dona de uma unhacas ciclópicas às riscas vermelhas e brancas.

Diz ao que vai. A menina olha-o com o maior dos desprezos e diz: “tem que trazer o CUI”. Meio aparvalhado, o cidadão, a pensar que o CUI é alguma catraca para lhe sacar uns cobres, confessa a sua fatal ignorância sobre a existência de tal coisa, bem como sobre que influência O CUI pode ter na sua vidinha.

“ O CUI é um número”, diz a gaja das unhas. “Então a senhora não conhece o meu CUI? Tem aí a morada...”. “Não sei nem tenho que saber, quem sabe é a GALP, e só podemos ligar o gás se soubermos o CUI”.

Estupidificado, o cidadão insiste. “Então se os senhores querem vender gás sem ter acesso ao CUI de cada um, como é que querem vender o gás? Então eu é que tenho que lhe mostrar o CUI? ”

A senhora unhacas começa a impacientar-se. Para encurtar caminho informa: “Tem que ir à GALP pedir o CUI. Depois, volte cá. ”Mas à GALP onde?” “Na loja do cidadão. Eles lá dão-lhe o CUI. Não há alternativa!”.

Ciente de que, com a gaja das unhas, não se safava, o cidadão fez das tripas coração e meteu-se no metro para os Restauradores. Teve a enorme felicidade de encontrar imediatamente o estaminé da GALP. Tirou a senha. A senha tinha o numero 35 e, na pantalha, estava o 79. O cidadão estremeceu. Já terá passado a minha vez? Não, não tinha. Era a pantalha que estava avariada. A chamada era feita aos gritos. Desta vez nem posso ir beber uma bica, nem há uma cadeira vaga para ler o jornal. Tenho que aguentar. Aguentou.

Do lado de cá, uma multidão suada e triste. A maior parte estava ali para pagar contas, em duas caixas, antes que lhes cortassem o abastecimento. Os outros, como o cidadão, esperavam por ser atendidos em quatro secretárias onde seria suposto imperar quatro meninas com uma Tshirt preta onde brilhava a palvra on, talvez roubada aos que estão on, na ZON. Das caixas, uma tinha um senhor a atender. A menina da outra devia estar em intervalo, a conversar com outras três, das quais, veio o codadão a saber, duas eram estagiárias. Deviam estar a trocar impressões sobre o serviço, não é? Depois, mais duas meninas das secretárias, uma a atender um cliente, outra a pensar. Passado um certo tempo, cheio de sorte, ouviu a menina que atendia chamar o 30 e os seguintes. Já tinham ido todos embora. Era assim chegada a feliz hora do cidadão. A menina, muito simpática, descobriu o CUI do cidadão num ápice. Que eficiência!, pensou o cidadão.

Depois, pensou mais: porque carga de água hei-de ir a toque de caixa outra vez para a EDP, se estas gajas também vendem gás? E a doce rapariguinha, passada uma longa e titânica luta com o computador, lá resolveu o problema.

Agora, é só esperar que venham uns tipos inspeccionar a instalação – o que poderá suceder em breve – e cobrar sessenta euros mais IVA. Além disso, é origatótio estar presente no local, por conta do cidadão, um “técnico especialista” em gases (será em gases do CUI?), o qual não se sabe quanto cobrará. Para já, tudo nos conformes.


Feliz, o cidadão voltou para casa. Tinham sido quatro horas altamente produtivas. Ia ter gás! Tinha dado com os pés na EDP! Tinha vencido o CUI dos gases!

Uma triunfante jornada para um português habituado a que os que estão atrás dos balcões tenham a missão de criar problemas em vez de os resolver.

 

28.9.12

 

António Borges de Carvalho

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    ManuelB 02.10.2012

    Fui reler o meu comentário e revejo-me em tudo o que aqui verti, excepto em algumas gralhas, a pior delas ter atribuído o género feminino ao substantívo "epítome".

    Há ainda outros géneros: o meu, que tenta escever o melhor que sabe, apesar dos erros - e os que zurram por escrito, e sempre bem, nesse asinino brado.
    Porque na linguagem escrita nos servimos de cerca de 15.000 vocábulos, as hipóteses de errar são bem maiores que aqueles que orneiam, sempre a emitir os mesmos sons.

    E ainda se diz por aí que é uma espécie em vias de extinção. Até se constituem em partidos - que melhor se descreveriam como récuas.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    O autor

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub