Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

ANDAR PARA TRÁS


O Carlos, ciente da oportunidade, tratou de cavalgar a onda. Como nos tempos do camarada Cunhal, arranjou maneira de reunir sob a sua batuta os “trabalhadores”, os “patriotas”, “os católicos”, os “portugueses sem partido”, os “democratas”, etc.. Todos “unidos”, “o povo unido jamais será vencido”, bla, bla, bla.

A confessa intenção, com Cunhal, era evitar a todo o custo a implantação de uma democracia “burguesa” e erguer, na terra queimada, uma “democracia” “popular” à imagem soviética. Assim, pôs na rua hordas de trolhas e quejandos, que não percebiam nada do estavam a fazer. Tão só, na sua ignorância, davam largas a ódios baixinhos e sem sentido.

Cunhal não acabou por não vencer na rua. Mas criou uma onda que invadiu toda a política, que fez os partidos inflectir de tal forma que acabaram por embarcar, de uma forma ou de outra, na demagogia socialista de que é fruto a chamada “Constituição de República”, prolixa condensação de normas ideologicamente geradas, de imaginários direitos e, é bom não esquecer, desta coisa irrealista, paranóica e abstrusa que é o semi-presidencialismo à portuguesa.

É esse “programa constitucional” a origem primeira dos males endémicos da III República. Politicamente, o aborto semi-presidencial que confunde e anquilosa. Economicamente, um capitalismo socialista que misturou, mesmo quando queria fazer o contrário, a economia com a política, tirando ao Estado a capacidade de controlar o sistema económico – teria que controlar-se a si próprio!, gerou a evidente promiscuidade entre o capital privado e o Estado, com as desgraçadas consequências a que assistimos, deu asas a uma burocracia gigantesca, insuportável e paralisante, e a uma justiça cuja evidente degradação deriva directamente dos retorcidos conceitos constitucionais de independência e auto-gestão.

O caminho do regime para a exaustão não foi sentido, nem pelas gentes nem pelos políticos. A não ser quando já pouco havia a fazer.

De repente, os resultados directos e indirectos da filosofia do regime cairam-nos em cima.


Para além de tudo - dívida, défice, etc. - desgraça-nos a mentalidade que se nos meteu nas veias, cheia de “direitos” tortos, de oportunismos legais e oficiais, do convencimento que tudo nos é devido e nada devemos.

É este o nosso drama. É este o drama que o Carlos explora, cavalgando a onda do descontentamento e conseguindo apoderar-se de uma coisa que foi espontânea, ainda que errada e ineficaz: a manifestação do dia 15.

Desta vez o Carlos, vendo a mesma janela de oportunidade que Cunhal vira há trinta e tal anos, pegou no que era genuino e enquadrou-o. Como as “massas” que tem às suas directas ordens já não faziam impressão a ninguém, tratou de chamar as demais à rua, já que para tal se tinham "preparado": os mesmos que o Cunhal no seu tempo “convocava”. Carlos tratou do discurso, da organização, dos autocarros, das pancartas. Ameaçou-nos a todos (“se o governo não ouve a bem ouve a mal”), tomou conta da multidão. É de se lhe tirar o chapéu.     


Em resumo, um país que, como os saídos da tirania soviética, teria tido, e teria agora outra vez, oportunidade para avançar – como todos eles avançam – para formas mais evoluídas de filosofia de base, parece, pela mão dos Carlos da nossa praça, querer voltar a um passado tão perigoso quanto repugnante.


Eles não passarão. Mas o que tal nos vai custar!

 

30.9.12

 

António Borges de Carvalho

 

PS. A propósito do “correr com a Troica”, e coisas do estilo, cito:

É altura de começar a discutir o preço que teriam para nós tais alternativas. Estou cansado da conversa sobre os “cortes” por parte de quem, na verdade, não quer “cortes” nenhuns e tem como único sonho encontrar quem nos pague as contas, chamando a isso “solidariedade”.

José Manuel Fernandes, “Público”

7 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub