Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

OS ESTAPAFÚRDIOS

 

Ao ver e ouvir as insistentes, continuadas e estapafúrdias diatribes contra o discurso do PR, o IRRITADO não pode deixar de voltar ao assunto.

 

Para que serve, afinal, o PR? Ninguém sabe. Como ninguém sabe, vale tudo. O PR serve para apoiar a oposição quando diz coisas de que a oposição gosta. Serve para apoiar o governo quando diz coisas que agradam ao governo. Serve para levar na cabeça quando não diz nada. Serve para levar na cabeça quando diz seja o que for. Se se cala é porque se cala, se fala é porque fala, dependendo de a quem serve o silêncio ou o barulho.

O actual Presidente tem tido a infeliz ideia de dar umas no cravo outras na ferradura, além de uma triste tendência para meter os pés pelas mãos de vez em quando e de uma irresistível vontade de se meter onde não é chamado. Com isto aliado à estupidez constitucional do seu cargo, tudo fica mais difícil, para ele e para nós. Ao menos, diga-se, não é golpista como seu miserável antecessor.

 

Esta estapafúrdia coisa do semi-presidencialismo à portuguesa não tem nada de semelhante em qualquer país civilizado de aquém ou além-mar. É, aliás, único no mundo. Em França, o governo é o governo do presidente, mesmo que seja contra o presidente. O senhor Obama, nos EUA, a dona Grelma no Brasil, e tantos outros, são os chefes do governo. Na Europa monárquica, o Rei tem o “seu” governo porque, enquanto máximo representante da Nação, tem o governo que o seu povo escolheu. No resto da Europa Ocidental, os Presidentes são meros e preciosos representantes protocolares do país, só entrando em “acção” em casos de guerra ou crise extrema, como sucede agora em Itália. Em Portugal, o Presidente não é carne nem peixe: é uma coisa que uns burríssimos e estapafúrdios intérpretes das teorias de um senhor que se chamava (ou chama?) Maurice Duverger arranjaram e apimentaram com socialismo a rodos.

Fora daqui, o Presidente é respeitado por todos, todos se levantam quando ele aparece, todos o aplaudem, porque, gostem ou não de quem preside, sabem distinguir o seu representante das guerras políticas em que andam. É ver Obama, por exemplo, envolvido em terríveis polémicas com a oposição, ser aplaudido por unanimidade do Congresso sem distinção de partidos.  É que os americanos, como a generalidade dos europeus, aprenderam com os ingleses que uma coisa são os políticos, outra a Nação, ainda que no seu caso, o Presidente vista os dois casacos. Mas nós, por via constitucional (leiam!) deixámos de ser Nação, passámos a ser só República. E que república!

 

Impera entre nós a mais estapafúrdia das confusões. Ao ponto de, quando o Presidente, quiçá pela primeira vez, se limita a cumprir a tal Constituição de que tantos gostam quando lhes faz jeito, isto é, quando diz umas coisas perfeitamente inócuas e evidentes quanto à situação do país e declara, como lhe compete, que precisamos de estabilidade, que deveria haver um desígnio generalizado para cooperar numa estratégia de futuro, eis que a oposição minoritária, não só não o aplaude como nega, implícita e explicitamente, qualquer intenção de cooperar seja no que for e seja com quem for. Fazê-lo não é só estapafúrdio, é estúpido e perverso.

 

A oposição acha, agora, há “uma maioria, um governo, um Presidente”. Não há, é uma pena, mas enfim. Na cabeça dos estapafúrdios, tal é uma desgraça. Mas, simultaneamente, como já vi e li, “uma maioria, um governo e um presidente… do 25 de Abril” seria porreiro! Fica provado que, como o IRRITADO sempre disse, o 25 de Abril dos estapafúrdios não foi democrático, foi socialista: destinava-se a, para por todo o sempre, nos dar uma obrigatoriedade socialista no meio de uma “atmosfera” democrática. Ainda não perceberam que o 25 foi há quarenta anos e que muita água passou, entretanto, por baixo das pontes.

 

O risco de cairmos nas mãos de gente desta é de tal maneira assustador que o IRRITADO não tem palavras para o descrever.

 

28.4.13

 

António Borges de Carvalho

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D