Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

DO AQUECIMENTO GLOBAL

 

Maio, o mês das flores, o mês das andorinhas, os passarinhos a pipilar, felizes, por montes e vales, a Mãe Natureza a reviver, o Sol a brindar-nos com cálidos e suaves raios...  muito bonito, mas isso era dantes, antes do aquecimento global cair sobre nós com inclemências de granizo, gélidos ventos, humidades nos ossos, neves ressuscitadas em céus de tormenta…

 

O nível do mar, segundo não se sabe quem nem como, subiu quase um milímetro nos últimos vinte anos por causa do degelo do Ártico, o degelo do Ártico por causa do efeito de estufa, o efeito de estufa por causa do CO2, o CO2 por causa da humanidade, a humanidade por causa dos combustíveis fósseis, os combustíveis fósseis por causa do capitalismo. O socialismo, por definição, não usa combustíveis fósseis, não cospe CO2, não tem efeito de estufa, não derrete os gelos do Ártico nem fez subir o nível do mar quase um milímetro nos últimos vinte anos.

Pelo menos é o que dizem os grandes gurus do aquecimento global, entre nós altamente representados, por exemplo, pelo genial político-climatérico Viriato, homem de vasto saber e indómita coragem, sobretudo nos montes Hermínios. Calcule-se, escreve o sábio, que o nível de CO2 é hoje igual ao que era há 3.000 anos, ainda que só haja estatísticas desde 1958. Subiu, desde que é monitorizado, nada menos que cem partes por milhão, de 300 para 400 ppms! Estão a perceber? Porque terá então descido de 400 ppms para trezentos entre mil anos antes de Cristo para 300 ppms em 1958? É simples. Amenófis IV, ciente dos problemas que os bulldozers, os catrapilos, as máquinas das pedreiras, os camiões, enfim, toda a parafernália de meios utilizada na construção das pirâmides tinha na produção de efeito de estufa, mandou parar as construções, assim contribuindo para a salvação da humanidade. Tutankamon não era da mesma opinião, mas Cleópatra, por influência de Marco António, retomou a política da Amenófis, a qual, de forma retumbante, só viria a ser abandonada pela revolução industrial e pelo horroroso período capitalista que provocou, pondo a sobrevivência da humanidade em risco sem apelo nem agravo.

 

Esta gente, ou anda a brincar com coisas sérias, ou comete pecado de orgulho quando afirma que o Planeta, enquanto tal, obedece aos seus ditames. Que pesporrência, que ilusão, que presunção!

 

A ecologia é uma disciplina científica digna da toda a consideração. As preocupações de alguns sobre a qualidade do habitat humano são de uma legitimidade indiscutível. Tudo foi, porém, transformado numa ideologia política de cariz totalitário, com a concomitante tendência para decretar sobre tudo o que, de perto ou de longe, possa ser considerado como tendo alguma influência, fazendo-o por recurso, não à ciência propriamente dita mas a chusmas de pseudo-cientistas, burocratas, assalariados e políticos incapazes de ver um palmo à frente dos olhos. A ONU paga a funcionários políticos para demonstrar o que se convencionou ser “verdade”, seja ou não seja. Os que se apoderaram dessa verdade ditam as regras. Os políticos aceitam. Os homens de negócios aplaudem. E a humanidade está “aberta” a suportar os colossais custos da “libertação” do CO2, coisa de que a Natureza é o primeiro produtor e que ninguém sabe daqui a quantos milhões de anos – unidade em que se poderá medir a vida do planeta – terá influência que se veja em coisa que se veja.

 

Entretanto, lá se vai ganhando a vidinha e tendo prestígio e influência, sem precisar de eleições e outras chatices do género.  

 

19.5.13

 

António Borges de Carvalho

7 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub