Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

AQUI HÁ GATO

 
A semana tem sido marcada pelo chamado “Estudo da CIP”.
O senhor Vanzeler foi a Belém, a São Bento, à RTP e à SIC no mesmo dia, dizendo que tal estudo “já há muito estava a ser feito”, que não diz quem o pagou, que se abre aos olhos do povo uma solução alternativa à da Ota, etc.
A tropa, que sempre se tinha oposto à solução Alcochete, surge a dizer que sim senhor, que se quiserem Alcochete, muito bem, a tropa não se opõe, a tropa encontrará “soluções alternativas” para os seus tirinhos, num alarde de nunca vista “cooperação institucional”.
O povo fica muito satisfeito. O povo nunca entendeu a brutal asneira da Ota e, parvo como de costume, acha que se acendeu uma luz no tenebroso túnel onde regouga o inenarrável Lino.
O ex-engenheiro manda dizer que dá mais seis meses ao povo para discutir o assunto.
 
Há aqui vários gatos.
Quem encomendou o estudo?
Quem o pagou?
Porque aparece o estudo agora, e não quando ficou pronto?
Quem promoveu a coisa?
Porque é que aparece o senhor Vanzeler a promover a coisa, sem sequer a ter feito passar pelas instâncias normais da CIP?
Porque é que o ex-engenheiro, de repente, deixou de ser teimoso?
Com que intenção, ou intenções, a coisa aconteceu?
Anda alguém a enganar a malta?
 
Ora bem. Rezam as crónicas da rua que o estudo foi encomendado pela Associação de Turismo de Lisboa, e pago por ela, pela Câmara Municipal e por mais alguém que a rua ainda não descobriu quem fosse.
Não conviria, diz a rua, que o estudo surgisse patrocinado por quem o pagou, porque poderia parecer que alguém estava a querer julgar em causa própria, como sucede com a plêiade de cretinos do Oeste que andam para aí a enganar o povo dizendo que a Ota é que é bom para o país.
Era, pois, preciso que surgisse uma terceira entidade, mais ou menos independente, a revelar a coisa. A CIP pareceu óptima a quem está por trás disto. Haveria que montar uma operação “credível”.
E assim se fez. O senhor Vanzeler prestou-se à coisa, a mando, diz a rua, ou do ex-engenheiro, ou de SEPIIIRPPDAACS, ou dos dois. Várias reuniões, diz a rua, tiveram lugar. Em São Bento, o senhor Vanzeler ficou uma boa meia hora a falar com o ex-engenheiro, depois de uma reunião formal com mais gente. Também consta que teve conversações prévias em Belém, ou com Belém, o que é verosímil dadas as boas relações institucionais, pessoais e matrimoniais que o senhor Vanzeler tem na Praça do Império.
Teremos, assim, uma conjugação de vontades.
SEPIIIRPPDAACS, é sabido, gosta tanto da Ota como o povo. É natural que tivesse dado, e muito bem, um empurrãozinho ao senhor Vanzeler.
Já no que diz respeito ao ex-engenheiro, a coisa fiará mais fino. É preciso pensar um bocadinho para perceber onde o homem quer chegar. Especulemos. Qual foi o efeito imediato do estudo? A quem convém a suspensão da decisão por seis meses? Quem é o principal beneficiário de tal suspensão? A resposta é fácil: quem lucra com a coisa é o senhor Costa e o PS. O senhor Costa não podia podia continuar a apresentar-se às pessoas como “amigo” de Lisboa e, ao mesmo tempo, a andar para aí a defender a Ota. Estando a coisa suspensa por seis meses, o senhor Costa passa a responder que a questão não se põe, que é uma decisão a ser estudada e que, a seu tempo, terá ocasião para defender os interesses da cidade. Nem sequer precisa de aldrabar mais as pessoas com jardins na Portela e coisas do género.
Aqui temos uma jogada de mestre. O homem, afinal, merece ser engenheiro, dada a forma com “engenheira” a opinião pública.
 
Para manter o “Oeste” nos varais, o Lino dos desertos reune com a trupe dos presidentes de câmara. Garante-lhes que a Ota é que é bom. Os fulanos saem do Terreiro do Paço a cantar vitória, satisfeitíssimos. Está tudo na mesma, afirma, triunfante o porta-voz da trupe. Isto quer dizer o que quer dizer: o Lino dos desertos garantiu-lhes que, sendo especialista em camelos, não cede um milímetro aos animais. Tudo confirma, para quem quiser perceber, a jogada do ex-engenheiro.
 
Costa exulta. Não vai precisar de descalçar a bota da Ota. Rima, e é verdade. Alguém lha descalçou.
 
SEPIIIRPPDAACS deve andar às voltas, nos dourados corredores do palácio, a estudar o passo seguinte. E se os tipos, seis meses passados, com a Quercus a arreganhar o dente, os empreiteiros a lobiar como doidos, o PS a fervilhar pelas ruas, chegam à conclusão, ou voltam à conclusão, de que a Ota tem que ser? SEPIIIRPPDAACS coça o queixo, a pensar na próxima jogada.
 
O Irritado, humildemente, deseja as maiores felicidades ao pobre senhor. Ou ele nos safa desta, ou não sei como nos havemos de safar.
 
António Borges de Carvalho

1 comentário

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub