Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

PESSEGADA AUDIOVISUAL

 

Desde sempre tem o IRRITADO traçado armas contra a existência dessa coisa inútil e contraproducente que se chama RTP.

Este governo, primeiro, parecia querer privatizá-la. Depois, o Relvas acagaçou-se com a gritaria da esquerda e tratou de inventar outra solução. Tal solução, como o Relvas, caíu.

Agora, carregado de boas intenções, o senhor Maduro, altíssimo intelectual da nossa praça, apresentou uma nova “solução”.  Desta vez, trata-se de manter o monstro e de arranjar mais uma série de canaletes “temáticos”.  Como pagar a coisa? É simples: carrega-se no botão da receita e vai buscar-se mais uns cobres a quem tem um contador de electricidade. O aumento, para cada um, é pequeno, mas tudo somado...

Lembro-me de uma pessoa que tinha sobre mim autoridade me dizer um dia, em ar de descompostura: António, um tostão mal gasto é uma fortuna, um milhão bem gasto é peanuts. Tinha toda a razão. É por isso que os cêntimos que vamos pagar a mais, não fazendo diferença à maior parte das pessoas, são uma fortuna, e uma fortuna cuja origem carece de legitimidade.


É certo que foi a esquerda que se revoltou contra a privatização, contra a solução Relvas, como se revolta agora contra a proposta Maduro, como se revolta contra tudo. É certo que, se o governo resolvesse privatizar, ou acabar com aquilo, caía-lhe em cima a quatro patas o Tribunal Constitucional, último e definitivo reduto da esquerda nacional, instância irrespondível da oposição, albergue de politicões engagés.


Para o IRRITADO, a RTP/EDP deviam ser simplesmente extintas, o património vendido, os funcionários mandados para casa. Que diabo, há tanta gente a ser despedida neste país, por que carga de água os parasitas audiovisuais são intocáveis? E se houvesse, o que é de admitir, necessidade de serviço para os emigrantes ou para o “império”, que se contratasse com os privados tal tarefa.


Não há nada que possa defender um sistema herdado de há quarenta anos, ignorando que o tempo é outro, a procura é outra, o mundo é outro.


A inacreditavelmente estúpida esquerda portuguesa, que acusa o governo de “manipulação”, “interferência”, “pressões” e outras malfeitorias, acha mal que o governo deixe de “tutelar” a “informação” estatal.  Bem vistas as coisas, se calhar não é tão estúpida como isso: é que, se chegasse, ou se chegar, ao poder, nada melhor que ter TV e rádio do Estado para poder manipular à vontade. O PS até conseguiu manipular a TV privada - a Moura Guedes que o diga - como podia deixar de ter uma pública, mais perto e mais dependente? Como podia deixar de ter uma TV que lhe fornece, mesmo não sendo governo, uma tribuna onde perora o maior aldrabão político da nossa história,  conhecido por “engenheiro”?


A coligação, por seu lado, limitada e anquilosada pela arrogância larilóide do CDS, vai-se entretendo a arranjar soluções que a esquerda possa “tolerar”. É de uma falta de coragem, ou de convicção, a toda a prova. E tudo à custa de quem nada tem a ver com estas “determinações constitucionais”.


Cuidado! O Palácio Raton vela por nós.

 

13.10.113

 

António Borges de Carvalho

7 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub