Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

CANINAMENTE FALANDO

 

A Pátria inteira ficou estarrecida com a notícia de uma iniciativa política tendente a restringir a quatro (dois cães e dois gatos) o número de tais seres vivos admitidos em apartamentos. As baratas, os percevejos, as moscas,os piolhos e as pulgas não são contemplados.

A dona Cristas viu-se objecto da maior troça, coitadinha. Foi obrigada a reagir. Estranhamente, a emenda saiu pior que o soneto.

Passo a explicar. A senhora veio esclarecer o povo: não, não era uma iniciativa política, nem ia haver nenhuma lei a determinar a coisa, já que o governo tem mais com que se preocupar. Até aqui, coma-se. O pior é o resto. É que se tratava, segundo a distinta ministra, apenas de um “estudo” sobre a gatal/canina matéria, estudo que o ministério anda a fazer há sete anos. Sete anos! Uma iniciativa do governo do senhor Pinto de Sousa, que a dona Cristas, em vez de mandar para o caixote, deixou prosseguir, assim ocupando o tempo de, com certeza, vários técnicos especialistas, veterinários, biólogos , psicólogos, sociólogos e outros ários e ólogos, certamente abundantes lá no ministério. O que esta gente pariu, sob o olhar carinhoso da senhora, deve ter valido o tempo ocupado na gestação. Tempo esse que o pagode pagou. Demonstração clara do que é e de como se entretém uma parte substancial do funcionalismo que, por ordem do todo poderoso Tribunal Constitucional, não pode passar à peluda.

Quantos mais “estudos” deste calibre não andarão aí pelos ministérios é coisa que não se sabe ao certo, mas deve encher o tempo de inúmeros “servidores do Estado”. A burocracia, que nos custa milhares de milhões, quando não tem nada que fazer, inventa qualquer coisa para mostrar serviço. Fatalmente, essas quaisquer coisas têm a nobre utilidade de servir para chatear o cidadão.

Se se legislasse para pôr os donos dos animaizinhos a pagar a limpeza da trampa com que infestam os jardins, os passeios, as ruas, as árvores, compreender-se-ia. Se tais proprietários tivessem que pagar os custos dos canis públicos, dos veterinários públicos e de outras entidades que se ocupam destas matérias, seria bom. Se os cãezinhos mais ferozes fossem proibidos, muito bem. Se a sanidade pública fosse perturbada pelos animais de estimação e as autoridades públicas caíssem a quatro patas em cima dos proprietários, encantado.

Mas que se perca tempo a fazer  “estudos”, pelos vistos autorizados e acarinhados pela senhora ministra, para determinar quantos canídeos e gatídeos podem viver em apartamentos, meus senhores, alguém não está bom da cabeça. Se um tarado qualquer resolver viver com quarenta cães e vinte gatos, que lhe faça bom proveito. A não ser, é claro, que perturbe os vizinhos, cause porcaria ou não pague a devida vigilância médico-sanitária.

Em democracia, como soe dizer-se, a parvoíce é livre.

 

31.10.13

 

António Borges de Carvalho

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub