Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

EANES, O MAGNÍFICO

 

A homenagem ao General Eanes merece uma pequena reflexão.

O IRRITADO, não tendo nada de espacial contra esta personalidade, na qual jamais votou ou votaria, fugiria à sua natureza se não deitasse um pouco de água fria na fervura eanófila que por aí anda.

Não há dúvida que, no 25N, foi Eanes quem deu as ordens necessárias a pôr em marcha a derrota militar das mentalmente corruptas ou ignorantes gentes do MFA, que vinham funcionando como guarda pretoriana do PC. Mas também foi ele quem coonestou a “salvação” do PC e a sua integração sem condições no concerto dos partidos democráticos, coisa que o PC nunca foi. Tal integração foi um desmedido exagero. Não se trataria de ilegalizar a sinistra organização, mas de denunciar claramente o papel que tinha desempenhado, antes e depois do 25A, para evitar a todo o custo que se institucionalizasse uma democracia liberal, intenção aliás confessada por Álvaro Cunhal quando garantiu que jamais tal coisa aconteceria em Portugal, com certeza porque ele não o consentiria... Tratava-se de pôr o PC no seu lugar. Fez-se o contrário, com o apoio de Eanes.


Na sua primeira candidatura, Eanes foi o candidato da direita, pelo menos no sentido de não ter sido apoiada por nenhuma das variegadas esquerdas que por aí vicejavam, sem contar com o PS, que se dividiu. Tratou tão bem os que o tinham eleito que, à segunda candidatura, o PM Soares, zangado, se lhe opôs. Dando sinais claros da sua estrutura ideológica(?), Eanes foi, desta feita, o candidato da esquerda! Opôs-se ferozmente à revisão constitucional de 1982, que desmilitarizou o regime.


No fim do mandato, aborrecido com os partidos que a democracia tinha gerado, resolveu aproveitar a embalagem que trazia de Belém e os justos louros adquiridos no 25N para fabricar um novo partido. O IRRITADO lembra-se que, nessa época, escreveu uma local em que referia que o PR tinha usado um helicóptero da Força Aérea para ir a uma reunião com os demais fundadores do tal partido. O jornal foi processado mas, obviamente, absolvido. Um fait divers sem importância, mas com algum significado.

Foi o tal partido que deitou ao chão primeiro governo de Cavaco Silva, abrindo a este as portas para duas maiorias absolutas! Como é lógico o partido eanista teve um fim triste, morreu sozinho, sem que ninguém o tivesse empurrado para o abismo do esquecimento. Não era bem um partido, era uma coisa um pouco à imagem do chefe: sem ideologia, apregoando ética, honestidade, etc.. É claro que se consumiu em questiúnculas internas, em malandrices pessoais, num ridículo sem nome... nem “ética” nem nada.

Para além disto, o segundo mandato saldou-se por uma série de intervenções, mais ou menos bem intencionadas, mas que outro significado não tinham que o de contínuas “lições de moral” a estes e àqueles.


Depois, bem acomodado no seu lugar de ex-presidente, bem reformado aos 50 anos, Eanes dedicou-se à vida privada, e fez muito bem. Assim fizessem Sampaio e Soares! Recusou o marechalato, recusou um dinheirão de retroactivos do Estado, levou uma vida sem mácula, pelo menos que se saiba. É hoje um pai feliz e um avô babado. Está no seu direito.


Tudo isto para dizer que, se Eanes merece toda a consideração pessoal, como político, para além de um momentâneo e bem sucedido papel determinante, não é líquido que mereça as ternas homenagens de que é alvo.

Que continue a ser feliz, é o que o IRRITADO lhe deseja. Mas que não ligue aos que o incensam, porque o que fazem é servir-se dele.

 

28.11.13

 

António Borges de Carvalho

1 comentário

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub