Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

IRREFORMÁVEL!

 

Desde velhíssimos tempos, há, nos governos desta terra, um ilustre membro encarregado de uma coisa a que se deu o nome de “reforma administrativa”.

Pouco se tem reformado, isto é, as mudanças que tem havido são mais as que a evolução dos tempos e das tecnologias têm imposto do que as que se poderia classificar como fazendo parte daquilo a que, hoje, se dá o nome de reforma do Estado.

Praticamente tudo o que poderia fazer jus a tal nome é objecto de feroz resistência de toda a gente: sindicatos, ordens, parceiros sociais, partidos de oposição, corporações profissionais, técnicos disto e daquilo. A sociedade, parece que no seu todo, é avessa a mudar seja o que for. Por exemplo, no tempo dos governos do senhor Pinto de Sousa, justiça lhe seja feita para o bem como para o mal, aliviou-se uma série de procedimentos que infernizavam a vida das pessoas com papéis, repartições, perdas de tempo e de paciência, conflitos burocráticos, etc. Mas manteve-se tudo o resto. É verdade que foi tornado possível tratar inúmeros assuntos sem sair de casa, por via electrónica. Mas as diligências, as autorizações, as entidades fiscalizadoras, a via diabólica manteve-se igualzinha ao que era, ou pior. Melhorou-se, por exemplo, o calvário da comunicação entre as repartições públicas, deixou, em muitos casos, de ser preciso andar de balcão em balcão para dar conhecimento a uma do que outra tinha feito. Mas manteve-se a inumerável parafernália de diligências para tudo e para nada, bastando que, algures, um funcionário, ou mal disposto ou a achar-se zeloso, ponha um grão de areia qualquer que tudo faça parar.  Isto, apesar de todos os simplexes, simplis, etc.

Alterou-se o adjectivo para melhor. Mas o substantivo manteve-se, quando não piorou. Em resumo, reforma alguma foi feita.

Actualmente, à mais pequena modificação estrutural que se tente, cai-lhe a sociedade em cima com protestos, greves, “estudos”, queixinhas e queixetas, um sem número de resistências a tudo, bom ou mau, que mude seja o que for. Criou-se, e abusa-se ad nauseam da “providência cautelar” – o juiz A resove que é branco, o juiz B resolve que é preto, ninguém se entende - abusa-se da Constituição, que serve para tudo e mais alguma coisa, desde que boicote, atrase, impeça, desautorize, politize, nisto colaborando entidades supostamente respeitáveis como o Presidente da República e outros órgãos de soberania ou parte deles, no fundo tudo minha gente “resistindo” ferozmente seja a que reforma for.

 

Vem este arrazoado a propósito da presente greve do lixo em Lisboa. Durante décadas, a fusão de freguesias da cidade foi objectivo de várias maiorias e minorias municipais. Nunca se conseguiu levar a facto uma reforma que, de tão evidentemente lógica e necessária, se metia pelos olhos dentro. Finalmente, o camarada Costa, com o auxílio do governo e do parlamento, conseguiu levar a efeito tal objectivo. Tire-se-lhe o chapéu.

Alargado o território das freguesias, impõe-se, como é óbvio, que lhes sejam atribuídas mais competências, mais verbas próprias, maior capacidadde de conhecer os problemas de cada uma e de estar mais próximo do que há a fazer.

O município, como é natural e parece necessário, resolveu “freguesizar” a limpeza urbana. Conseguiu um plano em que não consta qualquer mexida nos chamados direitos dos trabalhadores. Veja-se o resultado: 15 dias de greve. 15 dias da mais estúpida e criminosa ignorância dos direitos de quem tal gente serve ou devia servir e que, já agora, é quem lhes paga o salário.

Se alguma utilidade esta greve tem, será a de fazer o eventual futuro líder do PS – como, aliás, o actual – perceber que o “movimento sindical”, leia-se as forças da destruição e da incivilidade, continuará a sua “missão”, seja com que governo for, desde que goze de liberdade para tal.

O que leva a pensar que a solução do problema só tem duas vias. Ou se entra num regime de “socialismo real”, de esquerda ou de direita, onde certos direitos simplesmente deixam de o ser, ou a democracia tem que assumir que, para sobreviver, tem que dar ao exercício de certos direitos de uns os limites que democraticamente lhes são próprios: os direitos dos outros.

 

Fica o recado, neste fim de ano, para este parlamento, este governo, este Presidente, bem como para os que se lhes seguirem.

 

31.12.13  

 

 António Borges de Carvalho

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Maria Alice 02.01.2014

    Ainda não percebeu que o Irritado está no lugar para onde o tuga olha (em "cima")?
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    O autor

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub