Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

SOMOS OS ÚLTIMOS!

 
Um pouco por toda a parte, as posições dos cidadãos e dos governos em relação à energia nuclear vêm evoluindo sentido da aceitação da sua necessidade e da confiança que merece.
Razões económicas, estratégicas, tecnológicas e, imagine-se, ecológicas, militam a favor do desenvolvimento da opção nuclear.
É sabido que a Índia tem em marcha um projecto para instalação de cerca de vinte centrais e, no caso da China, fala-se de cinquenta. Mas não são só as economias emergentes a tomar esta opção. A Finlândia tem uma central em construção, na Austrália o governo declarou a opção como inevitável, o Reino Unido prepara nova regulamentação para relançar o sector, em França opção está tomada, nos EUA há quase trinta novos pedidos de instalação em fase de estudo ou de autorização. A própria Espanha, segundo algumas fontes, prepara-se para tomar medidas no sentido de aumentar dramaticamente a sua produção de energia a partir do nuclear.
A opinião pública vai pelo mesmo caminho. Segundo o “Economist”, no Reino Unido, os opositores ao nuclear são hoje cerca de 30% dos britânicos, tendo sido, há apenas três anos, 60%. Nos Estados Unidos, a opinião favorável é já de 50%, partindo-se de 44% em 2001.
Alguns dos mais ferozes ainda que acreditados ecologistas assumem uma viragem de 180º a este respeito: o nuclear é hoje a forma mais limpa e com menor impacto ambiental de produzir electricidade.
Para o Ocidente, o desenvolvimento do nuclear representará uma monumental descida na factura de produtos provenientes de países instáveis, transferindo-se a compra de matérias-primas para zonas mais fiáveis, como a Austrália e o Canadá, sem que tal represente, bem pelo contrário, um aumento do preço ao consumidor final.
 
É esta a tendência da Civilização.
 
Em Portugal, um financeiro propôs ao governo construir, sem despesas para o Estado, uma central nuclear. Não faço ideia, nem ninguém fará, se tal proposta era favorável aos nossos interesses. O que se sabe é que o Primeiro-Ministro, olimpicamente, declarou que a coisa “não está na agenda do governo”. Em vez de dizer ao proponente “venha de lá a proposta concreta para análise”, não senhor, o nuclear está fora da agenda, e acabou-se a história.
O “líderes” de opinião (Quercus e quejandos) ficaram descansados, ou aborrecidos, por, desta vez, não ter motivo para chatear o poder.
Os fulanos que, orgulhosamente, andam a plantar carissíssimos aerogeradores pelo país fora como antes se plantavam eucaliptos, borrifando na beleza da paisagem e nos nossos bolsos, propagandeiam o nosso “avanço” em matéria de produção de electricidade. Não informam, et pout cause…, sobre o preço da electricidade que produzem.
 
Em resumo, Portugal dá passos de gigante para ficar, ou para continuar, à margem do futuro. Em nome de uma causa que já nem politicamente correcta é…
Se já somos os últimos de muita coisa, parece que nos preparamos para o ser em muitas mais.
 
António Borges de Carvalho

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub