Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

RESPEITAI A VELHICE!

“Respeitai a velhice!”, diziam os soldados das negregadas guerras de África aos recém chegados, apelidados de “maçaricos”. Na tropa, como se sabe “a antiguidade é um posto”. Nas universidades, vetustas tradições consagravam o “poder” dos decanos e dos “dux”. Em sociedades pouco desenvolvidas, ainda hoje o chefe político é chamado “o mais velho”, mesmo não o sendo.
Atribui-se, ou atribuía-se, à idade, à experiência, a vivências várias que só ela proporciona, uma dose de sabedoria que é, ou era, um capital precioso para as sociedades e que merece, ou merecia, o respeito das gentes. A idade não é, ou não era, tida por travão do progresso, mas serve, ou servia, para dar a tal progresso o bom senso e o  capital de experiência que as novidades, muitas vezes, não trazem consigo.
 
Os tempos, porém, apontam noutro sentido. A “juventude” passou a valorar-se como um bem em si, despido de adjectivos ou limites, e a considerar os mais velhos como membros de um “parque jurássico” que só existe por favor dos “novos”, já que, na verdade, foi consumido, abolido, derrogado, pelo inexorável passar das eras. É assim que os partidos políticos, por exemplo, dão às suas juventudes um poder que estão longe de merecer, é assim que, nas empresas, os mais novos se sentem no direito de empurrar os mais velhos pela porta fora, muitas vezes com consequências devastadoras, é assim que a sociedade em geral tende a considerar os mais velhos como um fardo que, caridosamente - ou “solidariamante”, como se diz agora - se carrega até que faça o favor de morrer, e quanto mais depressa melhor. É assim que, nas escolas, a “juventude” passou a ser tida e achada para as mais ínfimas decisões e para a mais alta “gestão”.
Os desiquilíbrios sociais disto resultantes, e as suas consequências, assumem muitas vezes formas chocantes, impedindo que a condução das tarefas e dos negócios se desenvolva com harmonia, eficácia, e respeito pelos valores e objectivos das sociedades humanas que disto são vítimas.
 
Vem isto a propósito do nóvel “deputado” do Bloco de Esquerda, fulano que ninguém elegeu, mas que o abuso da lei das substituições que a organização pratica acabou por sentar nos bancos do Parlamento.
Aí está o rapaz, barbicha rala, camisoleca às riscas, capuz, jeans, despenteado artístico, a perorar contra as “fatiotas”, a dizer que o Parlamento não tem nada a ver com o povo, que não serve para nada, que é preciso dar cabo daquela inútil excrescência onde um bando de velhos bem vestidos se repoltreia, etc. Propõe-se o rapazola dar cabo daquilo tudo, e substituir a coisa por um novo bando, esse sem gravata, sem frases respeitosas, sem regras, sem peias, sem moral, só preocupado com as questões que verdadeiramente interessam, sejam elas quais forem.
Compreende-se que o Bloco de Esquerda lá ponha o fulano, como o PC lá pôs aquele tipo que expressamente declara admirar esse grande democrata que dá pelo nome de Kim Sung Il. É que, como se devia saber, o que tais organizações mais odeiam e sonham abolir, ainda que o não declarem, é a chamada democracia representativa, formal, ou burguesa, como lhe chamam, ou seja, a Democracia tout court.
Ainda há quem pense assim. E, para dar sinal disso, nada melhor que a “irreverência da juventude”, a “frontalidade da juventude”, a fim de, resguardando os insinceros líderes, vir dizer as “verdades” deles, assim fazendo passar o ódio à liberdade como se de nobre objectivo juvenil se tratasse, contra a “ditadura” dos velhos, dos tipos das “fatiotas” e, obviamante, do sistema.  
 
António Borges de Carvalho

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D