Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

BANCÁRIAS BOAS-FESTAS

Para quem não é cliente nem accionista do BCP, a novela que vem envolvendo o banco de há uns meses para cá não passa de guerra de clãs e de tricas de ricaços, coisa que até tem o seu lado divertido.
Da penumbra do cofre, qual tio Patinhas, um personagem apareceu à luz dos holofotes, a dar à coisa o ar lúdico e divertido que lhe faltava. A camisola preta, o fato Armani, na lapela o coração encarnado circundado de pedrarias, a fala grunha, os atropelos ao português, o carão de melão, tudo contribui para fazer do senhor Berardo um ser que, se não houvesse, devia ser inventado para divertir o povo e dar a coisas graves a leveza  sexy que a cardinalícia pompa dos seus inimigos está longe de conseguir.
As primeiras acusações do senhor Berardo foram algo suavizadas quando o engenheiro decidiu, de forma canhestra, pagar as dívidas do filho. Compreende-se as razões da atitude: o homem quis salvar a honra e a face da família. O problema é que não reparou que, ao fazê-lo, enterrava a honra e a face da instituição que, tanto como o seu filho, trazia os seus próprios genes.
O senhor Berardo continuou a cruzada. Não se ficou. Se, como tudo indica, tiver razão, então os motivos de preocupação deixam de ser exclusivo dos clientes e dos accionistas para passar a sê-lo de todos nós. Se as operações denunciadas se fundamentam no que parece fundamentá-las, então deixa de ser o BCP e os seus chefões quem está na berlinda. A coisa alastra com um tsunami e vai varrer todo o sistema, arrasando governos, ministros, o Banco de Portugal, a CMVM e os seus dirigentes, não se sabendo onde, como ou em quem vai parar.
Num país liberal, ou seja, num país onde o capitalismo é obrigado a funcionar nos limites da Lei, o caso teria sido mais bombástico, as autoridades teriam reagido com velocidade e eficácia. Veja-se o que aconteceu aos senhores Mário Conde e Ruiz Mateus em Espanha, ou o que se passou nos EUA com a Enron. Entre nós, onde o socialismo estatista continua a imperar, as coisas passam-se, e vão passar-se de ora em diante, de maneira diversa. Os dirigentes do Banco de Portugal, que deviam ter sido corridos quando, ao serviço da mistificação política que ainda serve de base à governação socrélfia, fabricaram o défice putativo de 6,83%, andaram de olhos fechados durante belos e doces anos. Acordando de repente, ciosos da sua ameaçada boa fama, arranjaram a safa de “recomendar” o despedimento dos chefões do BCP. A CMVM, essa, parece assobiar para o ar, não vá a bronca cair-lhe em cima. O governo fica-se pelas declarações de “preocupação”. O Procurador, coitado, tem nas mãos uma bomba atómica, a ninguém sendo dado imaginar o que fará com ela.
 
Os brandos costumes, em princípio, acabarão por prevalecer. Daqui a vinte anos, depois de uma batalha judicial do género das muitas que por aí vai havendo, uns senhores serão absolvidos, outros verão prescrever as acusações. Os absolvidos processarão o Estado, exigindo indemnizações monstruosas pela honra ofendida. O doutor Constâncio estará a banhos nas Caraíbas, reformado, rico e cheio de saúde. Os governantes, os homens do socialismo, os que, patrioticamente, souberam evitar que o Pinto & Sottomayor passasse para mãos castelhanas, serão louvados e incensados. Metade dos portugueses estará finamente proletarizada. A outra metade, ou quase, irá vivendo. Os que ficarem fora do quase estarão bem, recomendando-se como é de timbre. A Moldávia passará a figurar acima de Portugal em todos os indicadores. O senhor Gore terá deixado aos filhos a fortuna que ganhou a aterrorizar as pessoas. A Terra continuará a aquecer, ou a arrefecer, consoante lhe der na cósmica gana.
 
O Irritado, finalmente, estará a fazer tijolo como é sua não menos cósmica obrigação.
 
António Borges de Carvalho

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D