Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

A DITADURA EM MARCHA

Um cidadão passa por uma máquina de comes e bebes, na rua, mete um euro na ranhura, escolhe criteriosamente o produto desejado, carrega no botão, puxa a alavanca e vê, todo contente, um saquinho de gomas sair das entranhas da coisa. Retira o produto, abre-o com todo o cuidado, tira de lá uma goma com gostinho a limão, mete-a na boca e começa a desfrutar, todo contente.

Eis senão quando, imponente, surge uma carripana da GNR com dois esbirros do governo devidamente ataviados, no cumprimento dos seus deveres profissionais.

Alto e pára o baile! Mas o que é isto? Identifique-se! O cidadão obedece. Enquanto luta com os bolsos à procura do CC, intrigado, que mal fiz eu para estes cabrões me virem chatear… e continua a chupar a goma, cheio de cívico afã. Os guardas, com todo o cuidado, pegam no CC, examinam o documento em busca de alguma irregularidade, não encontram, ficam com pena, e agora, como é que vamos aplicar a lei?

Foi fácil. O governo ajudou. Então você não sabe que é proibido consumir à porta dos estabelecimentos? O cidadão olha em volta, não vê estabelecimento nenhum. Quem, eu? Sim, você acaba de adquirir comida e está a consumi-la na rua, perto do local da aquisição. Artigo 49, número 386, alínea H, terceiro parágrafo da lei do confinamento e do estado de emergência em vigor.

Uma goma? O cidadão, meio aparvalhado, ó sor guarda, nem a máquina é um estabelecimento nem eu estava a comer, estava a chupar uma goma, e levo as outras para os meus filhos. O Guarda, qual peru, enche o vasto peito, ora bem, se não quer perceber não perceba, consulte a lei, a ignorância da lei não aproveita a ninguém - ensinaram-me esta lá no quartel - ó 42, preenche lá o papel no aparelho das multas!

Mas…

Não há mas nem meio mas, boa tarde senhor cidadão. Os brilhantíssimos agentes da autoridade, orgulhosos por cumprir à risca os ditames da lei, aceleram, e vão à procura de mais gomas.

O cidadão, homem de brandos costumes, fica, meio balhelhas, no meio da rua, a pensar que, se calhar, nada daquilo aconteceu. Engana-se e, para se lembrar de quem manda, ficou com o papel da multa na mão e, se calhar, até vai pagar os duzentos euros para não ter mais chatices.

É a democracia, estúpido!

 

*

 

Um juiz, no estrito cumprimento da lei constitucional e ordinária que está (julgava ele) em vigor, não quis admitir no seu tribunal pessoas mascaradas. Dando o exemplo, tinha a cara a descoberto.

Julga-se (ou julgava-se) que, num tribunal, é indispensável que se veja a cara de cada um, juízes, testemunhas, advogados, declarantes, réus, queixosos, público, não só por razões de identidade mas também porque é da maior importância avaliar as expressões e gestos de cada interveniente.

Mas o tal juiz não só considera isso fundamental como é conhecido por achar que as máscaras do covide, em tempos declaradas inúteis pelos mesmos que agora as consideram indispensáveis, não servem para nada. A não ser, é claro, entre outras coisas, para fomentar o medo e contribuir para a destruição da sociedade.

Esqueceu-se o meritíssimo que isso era dantes. Os juízes deixaram de ter o direito de ver, na sua plenitude, as caras dos que julgam ou participam na liturgia forense. Por determinação do poder, deixaram de ter esse direito.

Daí que o nosso juiz tenha passado a ser perseguido por quem “de direito”, inibido de exercer as suas funções, sabendo Deus o que lhe acontecerá a seguir.

Acresce, ó gentes, que o nosso homem é “negacionista” - com direito a muito mais adjectivos, os quais, por nojo, o IRRITADO desta vez não refere. Por outras palavras, não tem direito, à liberdade de pensamento, ainda menos à de o exprimir, em público ou em privado. É um nhurro, um tipo que não percebe que isso são (eram) liberdades ora caídas em desuso por iniciativa do senhor Presidente da República, do senhor primeiro-ministro, da dona Catarina e do senhor Rio, entre outros.

É a democracia, estúpido!

     

28.3.21

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub