Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

A GRANDE MACACADA

 

Passada a espuma do “primeiro dia” da “grande vitória do PS” no seu glorioso caminho para o poder, eleito que está o “primeiro-ministro” do futuro, consagrado que se considera o “princípio” da eleição directa por eleitorados ad hoc, triunfante a ideia de que o cargo em causa é electivo – e é propriedade do PS -, aceite que foi como positivo um primeiro caso de participação política de cidadãos voluntários, haverá que pôr os pezinhos no chão e tentar ver o que se passou de importante.

 

Quando se viu o Oco II atirar um cravo ao povo, a propaganda imediata disse tratar-se de uma resposta a um sketch qualquer da campanha do Oco I. Espíritos mais sagazes, ou mais mal intencionados, como o do IRRITADO, ao ver a cena, lembraram-se do ataque paranoico do tarado Vasco Gonçalves, em Almada, a atirar cravos à matilha. Ou seja, o cravo do Oco II foi o primeiro sinal de “mudança”, com um sentido preciso e inequívoco, logo sublinhado pela profusão de murros no ar por parte da tralha ululante.  No palco, e nas primeiras filas, uma profusão de gente que se julgaria condenada pelo povo ao caixote dos dejetos da política mas que, afinal, vê no Oco II a hipótese de voltar a ter poder para – é mais que certo – nos levar a uma nova bancarrota.

 

Já que ninguém duvida que houve uma escolha de pessoas, não de ideias - coisa que, está provado à saciedade, não existe, nem na cabeça de um nem na do outro -, é de olhar para tais pessoas. O Oco I foi levado por duas vezes ao topo da agremiação por decisões legítimas, legais e estatutárias. Enfrentou os adversários de forma decente e limpa. O outro fugiu cobardemente, duas vezes, quando teve oportunidade de avançar. Deixou passar a água por baixo das pontes, auscultou “as massas” e, de forma pelo menos sacana, avançou. Ao que Oco I respondeu com a coragem que o desafio não merecia. Talvez sem saber que estava a cavar a sua pópria sepultura, deu o peito às balas: criou um sistema, certamente inconstitucional, ilegal e extra estatutário – quem de direito fechou os olhos à coisa -, mas frontal. Não fugiu, como era hábito do inimigo. Se alguma coisa se deve ao Oco I, é esse exemplo.

 

Tudo começou com uma carroceirada do Oco II. Se acharem “carroceirada” muito forte, atentem no discurso de “posse”: que outra classificação é possível?

 

Apesar da vacuidade das “propostas” políticas de um e de outro, estamos perante gente de carácter oposto: um é decente, o outro não. Mas parece que o “eleitorado” estava mais interessado no paleio de um que na decência do outro.

 

O Oco II entra, assim, pela porta do lixo. A corroborar esta opinião está o abandono da CML, que prometeu “servir” até ao fim. Paradoxalmente, haverá quem pense que talvez saia daí alguma coisa de positivo, sendo a coisa um tal Medina (áulico do Pinto de Sousa, como não podia deixar de ser) que, vindo do Porto, desceu à cidade pela mão do chefe. O IRRITADO não sabe se o Medina presta para alguma coisa. Sair o Oco II, seja de onde for, é sempre bom. A sua obra em Lisboa está à vista, só que, em termos de vida dos lisboetas, é difícil de ver qual seja: os grandes problemas continuam por resolver, a CML continua pasto da hedionda burocracia que a pulula, nada de substancial mudou, mesmo que a propaganda diga o contrário. As obras prometidas estão por fazer, a feira Popular e o Parque Mayer continuam a ser palco para as aventuras jurídicas desse flagelo que se abateu sobre a cidade chamado Fernandes. Os passeios continuam a partir tornozelos, as ruas a rebentar pneus, as piscinas são letra morta e, se tirarmos a Ribeira das Naus, que resta? De positivo, haverá o que vinha de trás. Mas o currículo do edil do Intendente é brilhante, diz a recorrente propaganda, e não há nada a fazer.

 

Tem o mundo da “informação” aos pés: veja-se a cobertura que teve, antes, durante e depois do acontecimento. Botas bem lambidas, como o “futuro” impõe.

 

Last but not least, assitimos ao glorioso regresso dos filhos da viúva, ditos maçons. É ver o apoio macisso da brigada do reumático e da do Pinto de Sousa.

 

Enfim, até daqui a um ano muita coisa acontecerá. Pode ser que haja quem entenda.

 

30.9.14

 

António Borges de Carvalho   

11 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub