Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

AVENTURAS DE UM PARLAPATÃO COM SORTE

A sorte de Soares coincidiu com a nossa num tempo curto, mas importante. Entregue o ultramar à URSS, de acordo com o chamado “pacto de Paris”, já não havia desculpa para Cunhal continuar incendiar as “massas”. O prometido, da parte de Soares, estava cumprido. Internamente, Cunhal tinha que cumprir também, com a especial ajudinha do parceiro, que o viria a considerar “indispensável à democracia”. Além disso, a fúria popular contra sovietização do país era de tal ordem, que se transformou no cavalo certo. Urgia montá-lo para não perder a corrida e não ser metido no saco em que a malta já tinha posto o camarada Álvaro.

Depois, a conquista do poder não foi difícil. Sem maiorias que se vissem, Soares fez as alianças que mais lhe convinham, ora com o CDS, ora com o PSD, ora, quando as coisas corriam mal, com o FMI. Jurou vingança contra Eanes, um chato intrometido.

Sá Carneiro foi o primeiro a fazer-lhe frente, a ele e aos diversos bandos de artistas que sempre povoaram o PSD. Houve o “interregno” da AD, que durou pouco, aliás como Sá Carneiro. O imperador voltou. Entretanto, houve que limpar a casa. Aos poucos, foi funcionando o cilindro: foi-se o Manuel Serra, foi-se o Salgado Zenha, foi-se o Rui Mateus, e mais uma data de gente foi abolida. Ai de quem lhe tocasse a fímbria das augustas vestes do nosso homem. Eanes que o diga. É certo que houve alguns, mais espertos ou mais resilientes, que se foram deixando ficar, Sampaio e Guterres, por exemplo. Ao tempo, Soares não conseguiu fazer-lhes a cama, mas ficou à espera de poder servir-se deles. Cavaco fê-la, mas durou pouco, já que Soares voltaria pela porta do cavalo do poder, sita em Belém, e dedicou a vida e o cargo a dar-lhe cabo do juízo, num entendimento assaz original, mas muito apreciado, da função do ocupante do palácio real.

E lá foi apoiar Sampaio, o chefe do ex-secretariado, odiosa organização. É assim que tem que ser. É preciso cavalgar os bons cavalos, os que podem ganhar, mesmo que se engula uns sapos pelo caminho. O tempo viria a demonstrar a razão que lhe assistia quando Sampaio veio a usar um poder que, segundo a antiga opinião do imperador, lhe não assistia. E muito bem, terá pensado, as coisas são o que são, dependendo do momento. Para correr com o “inimigo”, interpreta-se a Constituição de pernas para o ar. E muito bem. O que está certo é o que convém, o resto é conversa antidemocrática.

Mais tarde, por azar ou distracção sua, Cavaco por duas vezes o contrariou, indo parar a Belém. E ele, que nem sequer tinha apoiado o rapazola de Vilar de Maçada (o que é isso?), viu-se na contingência de o aturar. O tal rapazola veio a revelar-se uma chatice, cheiinho de rabos de palha e de esqueletos no armário. Paciência, se é dos nossos ou, pelo menos, não é dos deles, há que virar o bico ao prego e apoiá-lo.

Na idade provecta, já não há muito a fazer. Esgotadas as “razões”, fica a verve e as servis simpatias da “informação”. A luta continua, como diria o velho camarada Cunhal. Quem não é comigo é contra mim, ora essa! Já nada havendo no deserto do socialismo, agarremo-nos à retórica do Alegre, ex-amigo, ex-inimigo, amigo. Isto de democracia é coisa de amigos. Quem não for amigo é para cilindrar, os neoliberais (que tal coisa não são, como ele sabe) passam a fascistas, salazaristas (coisas que também nunca foram, como ele sabe), cambada, políticos, juízes, o que der jeito é para demolir, sendo certo que, para o camartelo da “informação”, o que vale é o que vende jornais e dá publicidade.

Apesar de tudo, ainda havia, no fundo de todos nós, alguma compreensão, até apreço, por certos feitos de um passado já distante. Agora, o que pode restar disso? Talvez alguma caridade para com um velho que, sem perder a tineta (única desculpa que podia ter) traz ao de cima a verdadeira face de um homem mau.

 

7.12.14

 

António Borges de Carvalho

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub