Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

BATER NO DEBATE

Para quem procurou ver o debate com a imparcialidade possível, é difícil aceitar o coro de “análises” que por aí se espraiam em quantidades industriais, a ver quem mais dá na cabeça de Passos Coelho e mais acha que Costa marcou pontos.

No que diz respeito ao esquema montado pelos cérebros das televisões  já as coisas parecem mais objectivas: se tirarmos os auto-elogios dos três “profissionais” de serviço, ainda nada li que os elogiasse, e ainda bem. Aquilo foi uma vergonha sem nome, para eles, para os chefes deles e para os media em geral, a revelar a indigência jornalística em que vegetam. Apostados em mostrar-se em vez de cooperar para que os outros dois o fizessem, ofereceram-nos o espectáculo deprimente da sua jactância e fome de antena.

Adiante.

Frente a frente estavam dois homens de características opostas. Um, conhecido por não fazer demagogia, por ter um estilo sóbrio, por viver a realidade, boa ou má, melhor ou pior, apostado em explicar-se no debate, sem que os “comandantes” o deixassem fazê-lo uma vez que fosse. Outro, muito mais o que se chama um “politicão”, apostado no ataque, a fazer lembrar os seus “deuses” – Soares e Pinto de Sousa -, para tal não hesitando na mentira descarada, na promessa sem fundamento nem viabilidade, na “boca” destrutiva, na insinuação infundada mas sonora, com o extremoso apoio do trio que, ao outro, ia cortando voz e as pernas.

Os tristemente célebres “números” do PS, como não haverá quem não tenha notado, não passam de suposições imaginativas, fundadas em variáveis inventadas, seguindo à risca o princípio que postula que “se a minha avó tivesse rodas…”. Mesmo assim, quando foi instado a dizer um ou outro “número” concreto, tendo tantos, fugiu com o rabo à seringa. Mas atacou, que é do que a malta - como os “moderadores” - mais gosta. Daí, a “vitória” que é atribuída a Costa pela acefalia dos comentadores. Ganhou, de facto, em promessas mirabolantes, em demagogia, em pugilismo verbal. De resto, ao rever o debate, ganhou em coisa nenhuma.

Posso, sem surpresa mas com tristeza q.b., perceber as reacções que por aí se esperneiam. Mas, que diabo, um bocadinho de senso que ultrapassasse e desse o ao trauliteirismo do Costa o seu real “valor”não faria mal a ninguém.

Baixar a TSU durante 3 anos, para exigir a sua reposição a seguir, mais que demagogia é aldrabismo militante.

Relançar o consumo para aumentar a produção é negar as evidências e viajar com a Alice, como se estivéssemos no país das maravilhas.

Descapitalizar a Segurança Social para relançar e proteger o nacional patobravismo “reabilitador”, é coisa de doidos.

Recusar qualquer hipótese de diálogo sobre a segurança social é traição a todos nós.

Repor de um momento para o outro os salários, as pensões, as prestações sociais e, ao mesmo tempo, baixar os impostos, é uma impossibilidade financeira e um erro de consequências catastróficas, além de uma mentira política desbragada e sem escrúpulos.

Pôr as culpas do memorando da troica nas costas do PSD ultrapassa todos os níveis da canalhice.

Culpar o PM por ir “além da troica” exibindo gráficos lagarderianos é pura banha da cobra. Não sabemos ao certo se Passos Coelho foi ou não além da troica, nem sabemos ao certo o que é isso de ir “além da troica” mas, se foi, pensem onde estaríamos a esta hora se não tivesse ido. Além disso, não sabemos ao certo quantos milhares de milhões de dívida o PS deixou debaixo do tapete, razão para que Passos Coelho não tenha podido cumprir o que tinha prometido em campanha. Mas isso não conta, não se reconhece. É indecente e desonesto que se não reconheça.

Em tirada paroquialista, Costa gaba-se dos seus feitos financeiros na CML, sem dizer quem para tal lhe deu o dinheiro (Passos Coelho!).

Enfim, o debate, ou a ausência dele por obra do terceto de “jornalistas”, foi o que foi: um confronto entre uma realidade honesta e um saco de promessas irrealizáveis, de mentiras descaradas, de tiradas ultramontanas.

Espera-se que os portugueses percebam o que se passou e sejam capazes de ir mais fundo que os comentadores, os jornalistas, os lelos e os marcelos da nossa praça.

 

11.9.15

10 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub