Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

CRIMES PÚBLICOS

 

Em segunda convocatória – a primeira resultara na palhaçada da aula magna – reuniu o pelotão dos gerontes, como sempre chefiado por esse trambolho raivoso que se chama Mário Soares.

A mesa reunia costumeiros esquerdo-histéricos, possivelente ansiosos que haja alguém, no seu perfeito juízo, que ligue às suas diatribes. “Deixá-los falálos, que eles calarão-se-ão-se”, diz a gíria. Não será bem assim.

Estas reuniões têm a sua utilidade. Fazem lembrar as comemorações dos cem anos do 5 de Outubro que, tendo servido para afagar as almas dos seus velhos amigos, serviram também para desmascarar a fatídica data perante a opinião pública. Agora, fica à vista a verdadeira natureza “democrática” desta gente, feita de frustração, ódio, raiva e muito pouca noção do mundo em que vive, quer queira quer não. Um mundo que, para bem e para mal, “matou” o dos seus sonhos de poder – um mundo em que, finalmente, o socialismo se apoderasse das pessoas, como se as pessoas reais tivessem alguma coisa a ver com a “impessoalidade” de tal doutrina.

O socialismo triunfou, ou, por outras palavras, teve alguma “utilidade”, quando se tornou “liberal”, isto é, quando soube compaginar-se com o capitalismo, que lhe fornecia os meios para ir fazendo umas coisas. Deixando de haver tais meios (o dinheiro dos outros), o socialismo faliu e, por muitos anos, terá que meter a viola no saco. Isto, se falarmos do socialismo com alguma “altura” moral, o que há muito deixou de ser o caso destes raivosos fora.

 

O pelotão – já não é brigada, sequer batalhão ou companhia – do reumático apresentava um leque de gerontes da alto coturno: o tal Soares, ladeado por figuras de lata de conserva, o Rosas, o Lourenço, o Matos Gomes (antigo capitão dos magalas comunistas que correram com o Jaime Neves dos Comandos, hoje “historiador independente”), o golpista Sampaio, essa desgraça humana do Freitas do Amaral, e tutti quanti, banqueiro do socialismo incluído. Um invejável e vasto leque de falantes múmias do socialismo obrigatório.

Do que a “informação” passou cá para fora realce-se a tristeza do Lourenço ao constatar que não há “condições” para uma revolta militar que acabe com o governo. No seguimento da tese da paulada que há tempos defendeu, acha que deve ser “o povo” a dar cabo do governo, isto é, da odiada democracia formal. Já há, diz ele, “legitimidade (dos militares) para correr com esses tipos que estão no poder; não há é condições”. Que maçada!

O Soares, esse, vai mais longe: os dislates foram de tal ordem que, pelo menos o jornal que tenho à frente, não os citou. Asneiradas que até a um jornal socialista envergonham. Apelo ao derrude da democracia por qualquer meio, por violento que seja. A máscara caiu-lhe. Na aula magna tinha dito que as circunstâncias podiam levar à violência, o que foi legitimamente interpretado como apelo à dita. Desta feita o velho demagogo pede que haja mesmo violência. Não tarda, apela à guerra civil.

As palinódias das múmias, tipo Freitas (cheio de saudades da União nacional), são o menos. O que fica desta reunião é o incitamento ao levantamento popular e ao uso da violência. Reconheça-se que mais lhes não resta, uma vez que estão agarrados ao cemitério das suas ilusões. O mundo já é outro. O que se seguirá, seja o que for, jamais será o deles, ou seja, o do poder deles. Mas a massa cinzenta já não lhes chega para o perceber.

 

Uma nota final, à atenção da dona PGR. Os díscolos políticos acima citados incorreram, de forma pública e notória, pelo menos nos crimes “incitamento” – “à alteração violenta do Estado de direito”, “à desobediência colectiva” e “à guerra civil”. Tudo devidamente tipificado no Código Penal. A dona PGR não viu, não ouviu, estava distraída?

Ou estes crimes só merecem atenção quando praticadas por gente “baixa”?

 

  23.4.14

 

António Borges de Carvalho

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D