Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

DA LIBERDADE ECONÓMICA

 

Nos idos tempos da II República, era o Salazar que decidia quem comprava o quê, quem vendia o quê, quem era bom e quem era mau. Havia o célebre condicionamento industrial, só investia quem o Salazar dissesse, ficando de fora quem o Salazar mandasse ficar de fora. Liberdade económica, só a que, no seu esclarecido espírito, funcionasse a bem da Nação, sendo a bem da Nação o que ele achasse que era a bem da Nação.

E pronto, era um sistema, isto é, a liberdade económica era uma batata.

Nos gloriosos dias da III República a liberdade económica faz parte da filosofia da dita, é um must, é a regra, não há Salazar, nem condicionamento, só liberdade. Mas como a liberdade, se deixada a si própria, é suposta dar chatice, ou ser uma chatice, houve que substituir o Salazar por umas coisas que dão pelo nome  de “entidades”, “reguladores”, “comissões”, “autoridades”, “altos comissariados”, “agências”, enumeração esta que nada tem de exaustivo. O Salazar anda aí, mascarado, caríssimo e poderosíssimo.

Vem isto a propósito de uma série de desgraças que por aí campeiam.

Para mim, a pior de todas é a mudança de comportamento da organização do senhor Belmiro, coisa que era conhecida como das poucas que não andavam penduradas no Estado. O filho do senhor Belmiro, como o IRRITADO tem referido, mudou de postura. Considerando-se ameaçado pela concorrência, desatou aos gritos que lhe estavam a mexer no bolso e que as “entidades”, “reguladores”, “comissões”, “autoridades”, “altos comissariados”, “agências”, etc. têm a mais básica missão de agir em função dos seus interesses. E as “entidades”, “reguladores”, “comissões”, “autoridades”, “altos comissariados”, “agências”, etc., acham que sim, que têm que se pronunciar, autorizando, condicionando ou proibindo.

Uns tipos franceses querem comprar uma empresa portuguesa a uns tipos espanhóis. Os tipos espanhóis estão meio falidos, querem vender, e aceitaram o preço oferecido pelos franceses. Tudo bem. Não. Tudo mal. Esqueceram-se da versão actualizada do condicionamento. Não se percebe: o senhor Paulo, se não quer que os franceses comprem, em boa liberdade económica só tinha um remédio: oferecer melhor preço e melhores condições. Se não tem dinheiro ou não o quer gastar, então a solução seria meter a viola no saco. E parece que o Estado se acha no direito de proteger os interesses do senhor Paulo, arrogando-se o direito de “condicionar”.

Na sua ignorada tumba, o Salazar deve estar a rir a bandeiras despregadas.

 

12.11.17

2 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub