Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

DA LOUCURA COLECTIVA

 

Isso mesmo, há uma loucura colectiva a tomar conta da nossa sociedade.

No elevador do parque de estacionamento aqui do bairro, onde pago para me refugiar da tirania da EMEL, com dez pessoas permitidas no tempo da liberdade, são agora permitidas duas. Já fui várias vezes expulso da coisa por concidadãos meus, já assisti a várias pessoas que, vendo-me lá dentro, sózinho, não tiveram coragem para entrar.

Crime scene!: os bancos do meu jardim, onde lia o jornal nas manhãs de sol, estão fechados com fitinhas da polícia. O mesmo no parque infantil onde, no tempo de outra senhora, crianças brincavam felizes. Hoje, nem brincar nem ir à escola, são escravas de pantalhas, as que pantalhas têm, as outras nem isso, estão entreguas ao tédio e ao abandono.

Fresquinho: a PSP expulsa os miúdos do parque de skateboard. A GNR dispersa uma festa de aniversário com oito pessoas.

Esta lista seria interminável, se tivesse pachorra para a escrever, mas o novo regime nem isso merece. Talvez seja a IV, ou V república, a de 1984 com trinta e tal anos de atraso.

As televisões, ao serviço do novo regime, aterrorizam as pessoas horas e horas a fio, e ninguém chama a isso o que isso é: um crime de lesa-pátria. Uma sociedade inteira passa a fronteira da depressão, entra na loucura, consome mais anti-depressivos do que consumiria cervejas, se lhe fosse permitido confraternizar com elas. Há tarados que, no cumprimento das normas da ditadura, chamam nomes a quem passeia sem máscara no jardim aqui do bairro.

Diz-se que o “confinamento” está a dar um resultadão, quando o confinamento, se resultasse, seria daqui a duas ou três semanas e, mesmo que assim fosse, está provado que não é possível provar que resulte: os países que não confinaram sofreram com o covide exactamente como os outros, uns mais outros menos.

O governo da nova república já fez milhares de discursos falsos, já disse, sobre o mesmo assunto, que era preto, branco ou cinzento às riscas, que era bom e que era mau, que é assim ou assado, frito ou cozido.

Incontáveis “especialistas” surgidos de toda a parte, colaboram activamente no criminoso fabrico da loucura. Os doentes morrem sem assistência, sem consultas, sem cirurgias, sem diagnósticos, sozinhos, nem no funeral têm direito a assistência. O SNS é o falhanço que sempre tem sido, arruinado pelos seus defensores mais ferozes. É como o confinamento, não funciona mas é sagrado.

A sociedade deslaça-se, arruinada e triste, stressada, deprimida, já enlouquecida ou a caminho de tal.

E a ruína? Quando a ruína chegar ao pico, não haverá “curva” que a baixe.

Médicos e enfermeiros cruzam as fronteiras para não mais voltar, emigram mais do que emigraram no tempo de outra república, a da troica. A culpa continua a ser do Passos Coelho.

Os nossos dirigentes, esses, tão orgulhosos como burros e mentirosos, gabar-se-ão sempre da sua obra. Não têm perdão.          

 

8.2.21

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub