Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

DA NOVA MORAL

Segundo o douto parecer da dona Ana Gomes - ínclita figura da nossa diplomacia, desagradável investigadora do PE, frequente comunicadora televisiva, senhora afirmativa e desapiedada - um tal Pinto, hacker consumado e muito conceituado na facho-democracia magiar, ao penetrar na correspondência, e não só, de terceiros, não lhe dá direito ao título de denunciador, ou bufo, ou queixinhas, muito menos de usurpador ou de ladrão. Pelo contrário, dona Ana chama-lhe “lançador de alertas”, e classifica, entusiasmada, as suas actividades como nobres, necessárias, louváveis, merecedoras de encómios vários, comparável, aliás, com outros heróis, tais o senhor Snowden, aquele sargento que agora é sargenta, o refugiado na embaixada de um país dado ao comércio de estupefacientes, o tipo da uiquiliques e , cereja no bolo, sindicatos de jornais muito preocupados com a moral pública e com as vendas.

Isto coloca algumas dúvidas, sobre as quais já não é a primeira que o IRRITADO se pronuncia. O princípio geral do sigilo da correspondência passou a coisa velha, relha e fedorenta. Em tempos, quem quisesse abrir a correspondência de outrem munia-se de uma panela a deitar vapor de água para derreter a cola, uma faquinha fina e um discreto tubo de outra cola para restaurar o envelope. Por mais nobre que fosse o objectivo de quem o fizesse, podia ser preso por isso, e jamais o acto podia ser invocado como prova fosse do fosse. A não ser, claro, que fosse objecto de mandado judicial. Hoje, é o contrário. Mandam os milhões as anas gomes deste mundo, ferozmante acompanhadas pela imprensa “de referência”, que tais actos sejam tidos por morais, incensados pela opinão, amados por governos e ONG’s, lambidos por alcoviteiros, usados em juízo, esgrimidos por comentadores e por políticos de vários credos, ao mesmo tempo que as mesmas gentes e as mais diversas autoridades lançam campanhas para a defesa da privacidade, a protecção de dados pessoais e outras vertentes da vidinha de cada um.

A bota está longe da perdigota. Os fins passaram a justificar os meios, desde que tal convenha à “opinião correcta”.

É certo que não poucos merecedores de crítica, de alarme social e até de graves penas, têm sido apanhados por obra e graça dos hackers. O que, por um lado é sinal de incompetência de polícias e afins, por outro da “evolução” da moral pública. Admitir-se-ia que as autoridades judiciais, perante indícios, suspendessem o sigilo e contratassem especialistas para se intrometer na correspondência de terceiros. Desde que, é claro, hackers não mandatados, fossem perseguidos e condenados. Mas a moral dos tempos é outra. Bufos, denunciantes anónimos - portanto irresponsáveis – tudo minha gente serve para invadir o que se diz defender, a privacidade, os dados, o que lhes der na realíssima gana.

O mundo é outro, a tão apregoada “ética” não existe, os “bons”, mesmo que bandidos e ladrões, são livres para sujar os “maus”, desde que tenham lama que chegue. Colaboradores e adeptos do big brother há por aí aos pontapés, só lhes faltando um monumento, tipo Arco da Rua Augusta: Virtutibus hackerem ut sit omnibus documento.

 

28.1.19       

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub