Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

DAS VANTAGENS DO VÍRUS

Não chego aos calcanhares da ministra da agricultura, que diz que o vírus é bestial para os servos da gleba venderem couves ao estrangeiro. Mas, verdade verdadinha, há uma coisa que agradeço ao vírus: a EMEL não funciona! Não é que ande muito de carro - praticamente nem lhe mexo. Mas é consolador ter a máquina numa esquina onde não faz mal a ninguém mas que, em tempos normais, daria as mais repenicadas dores de cabeça.

A EMEL nasceu nos tempos do Sampaio, PS/PC no poder. O seu ilustre primeiro chefe foi um tal Bento Feliz que, com requintes de malvadez, criou uma “estrutura” que faria inveja ao camarada Estaline. Depois, à medida que os cofres se iam enchendo, a coisa foi melhorando. Pela positiva, a EMEL passou a avisar a clientela sobre a altura de pagar, com referência Multibanco e tudo. Uma maravilha, a demonstrar a entrada da coisa na era digital(?). Mas, ó desgraça, a coisa devia dar um trabalhão aos funcionários, incompatível com as 35 horas. Assim, sem qualquer aviso, deixaram de mandar o aviso. Daí, os servos, uns canalhas, deixaram de cumprir as suas obrigações pela simples razão que não têm pachorra (pregiçosos, mlandragem, caloteiros!) para andar preocupados com a data do dístico e estavam (mal) habituados aos avisos da ditadora. Fatal. Uns dias depois, começaram as multas, uma, duas e, à terceira, lá vai o carrinho para o estabelecimento prisional da EMEL. Perante tal facto, o tenebroso prevaricador desloca-se, humilde e delicado, à Câmara, lá onde a organização tem assento, julgo que secundário. Depois da devida espera (apesar da augusta presença de toneladas de funcionários), lá vai ser atendido. Pede para pagar, e que lhe passem um novo dístico. Que não. Não é assim, tenha paciência. Mas... o senhor tem aí os elementos todos, basta ir ao computador, dou-lhe a matrícula, dou-lhe o Cartão do cidadão, sabe que o carro é meu, sabe onde moro, tenho o dístico desde que há EMEL, tem tudo. Nem pensar, tem que trazer os documentos da viatura. E como quer que eu lhe dê os documentos, se estão no carro e o carro está apreendido, e se a EMEL sabe perfeitamente do que se trata? Solícito, diz o funcionário que, para já, tem duas multas para pagar, o que pode fazer aqui. Então, para receber o senhor serve, mas para dar uma ajuda já não. Não seja malcriado, é a lei, o regulamento... tá a perceber? E o caloteiro paga as multas, 60 euros, e vai, com o rabinho entre as pernas (o que prejudica o andamento) até à prisão dos automóveis. São cento e oitenta euros, explica o útil cidadão por trás do vidro, e pode ir buscar a viatura. Pago o estrago, o caloteiro lá vai, à procura do carro, está lá longe, o guarda não o vai buscar, era o que faltava! Munido do carro e do respectivo documento, feliz, lá vai o “arguido” (é assim que é referido na papelada!) outra vez à Câmara. Em vez do outro fulano, é agora recebido por uma gorda toda fataça, cheia de anéis. Cartão do cidadão, carta de condução, documento único. Orgulhoso, o arguido põe tudo em cima da mesa. A gorda mergulha no computador e, após judiciosa busca, pergunta: que deseja? Queria que fizesse o favor de emitir o papel de estacionamento de morador. Nova consulta dos dados. Não lhe vou dar o papel. O arguido estremece, começa a suar. Porquê? Porque no Cartão diz que mora no rés do chão esquerdo e, no documento único, que mora no sétimo direito. Ó minha senhora, não vê que é no mesmo prédio, no mesmo bairro, na mesma zona de estacionamento? Que importância tem isso para a EMEL? Tem toda a importância, você (assim, você) tem 60 dias para acertar a morada, depois venha cá, é o que diz a lei, não há nada a fazer, vá aos registos. O arguido respira fundo, bufa, mas, dada a sua esmerada educação, livrou a gorda de levar um murro no focinho. De rabo entre as pernas, está a tornar-se um hábito, vai para casa.

No dia seguinte, começa a emergência. O arguido deixa de poder sair. E agora? Agora, fechou a EMEL, os poderosíssimos sátrapas foram para casa, o carro, provocador, está à esquina. Hi,hi.

Vêem como o vírus tem as suas vantagens?

 

25.3.20     

3 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D