Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

DAVID E GOLIAS

Ainda a procissão vai no adro, já as comadres começam a tergiversar. O Centeno - que também podia ser dezeno ou mileno dado o seu público desconhecimento dos números que o plantel, sob a sua alta direcção, alardeou – é adepto do aumento da idade da reforma. Vai daí, o Costa troca os pés pelas mãos e diz que de maneira nenhuma, a idade da reforma será a mesma, é intocável, pois então! A coisa é disfarçada com mata borão, isto é, tira-se o molhado mas fica a nódoa. Outras virão, é mais que certo.

 

Adenda, em 24.4.15. Outras virão, dizia ontem. Nem 24 horas foi preciso. Hoje, três grandes vultos do PS destaram a zurzir no "documento", ou programa, ou lá o que é. nada menos que o Sousa Pinto, ilustre distribuidor de preservativos, o Pedro Santos, da esquerda folclórica e o Silva Pereira, do beicinho socretino, rebelaram-se contra a história da TSU. Outras virão, é mais que certo. Os gatos agitam-se.)


Os rapazes, tudo geniais, credíveis e competentíssimos técnicos – quem sou eu para duvidar – avançaram com futurologias várias, todas fruto de uma inabalável fé no ovo na cloaca da galinha. Alinharam causas e consequências do seu esclarecido pensamento, concluindo, por exemplo que, aumentando o consumo, isto é, lançando umas massas no bolso das pessoas, a economia cresce, o dinheiro jorra e, num abrir e fechar de olhos, voltávamos todos a 2007 em termos de rendimento disponível. Esqueceram-se, com certeza, das consequências dos aumentos da função pública perpetrados eleitoralissimamente pelo 44: o consumo aumentou e... foi o que se viu.
Interessante é verificar que o ponto de partida é, com todo o rigor, aquilo que o PS não se cansa de negar: que o país se vem financiando sem problemas, coisa impossível no tempo do 44, que o desemprego, pouco, mas desceu, que as exportações subiram para níveis nunca antes vistos, que as previsões das instâncias internacionais são mais optimistas que as do governo, etc. Até há dias, era tudo mentira. Agora, é base para um optimismo galopante. Basta que o PS, rigorosamente a mesma gente de há uns anos, tome conta da coisa, e faça o contrário, quer dizer, em vez de nos enterrar, nos “salve”.  A mezinha, a fada boa, é o PS!
Cedendo às exigências do Portas, a equipa quer baixar o IVA da restauração, com isto aumentando o investimento em tascas, bares, restaurantes e casa de pasto, coisas que há pouco por aí. O tal investimento faz tanta falta como uma viola num enterro. Não contam com este simples facto: o aumento do IVA (que, em si, não é desejável), no caso da chamada restauração, não teve nenhuma espécie de influência nos preços ao consumidor. Bem pelo contrário, terá tido a virtualidade de pôr o sector a melhorar a oferta, a aguentar-se sem problemas de maior e a expurgar o que não presta. Escusado será dizer que, com o IVA mais baixo, os preços continuarão na mesma e a oferta piorará. Mas os craques não dão por isso.
É claro que as boas almas, encabeçadas pela dona Manuela, estão felicíssimas com o “documento”. Uma excelente “base de discussão”, uma “elevação do debate político”, um pensamento respeitável. Pois.
Ontem, tive a felicidade de ver o Drácula Galamba a ser estraçalhado por uma rapariguinha, Mónica de seu nome, que o levou às tábuas. A tremenda e ameaçadora estrela da constelação do rato baixou a bolinha, viu-se grego, a sua habitual e tronitruante verve foi metida no caixote com uma irrefutável lógica. Uma boa reedição da história do Golias.
Para já, é tudo. A telenovela vai ter muito mais episódios.

24.4.15    

4 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D