Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

DESVENTURA

O senhor deputado Ventura resolveu achar que os ciganos deviam ser “confinados”. uma solução primitiva e inaceitável para um problema real. Usou a palavra mais em voga neste Portugal dos alarves. Se o “confinamento” nos é aplicado a todos por causa do vírus, porque não aos ciganos, por causa dos seus hábitos anti-sociais?

O senhor deputado Ventura fez asneira ao julgar que a “confinação” era a coisa o mais na moda que há. Os direitos que, hoje, nos são negados, não podem ser negados aos ciganos, segundo a opinião vigente. Teria razão, mas foi por demais incorrecto, tendo-se transformado em bandido político e contribuído para a transformação do senhor Quaresma em herói nacional, não por mor do futebol mas por intervenção cívica. É o que mandam os tempos.

Postas as coisas nestes termos, arrisco ser classificado como racista, xenófobo, fascista, nazi e outros mimos das NEP’s em vigor. Que se lixe.

É evidente, não contesto, que os ciganos portugueses são isso mesmo, portugueses. Têm os mesmos direitos que os demais. Têm, também, as mesmas obrigações. E aqui é que bate o ponto. Os ciganos, comunitariamente, não cumprem muitas dessas obrigações. Negam direitos às suas mulheres, praticam os casamentos obrigatórios, quantas vezes com raparigas menores, chegam a negar a escola aos seus filhos, são agentes confessos e contumazes da economia paralela, avessos a impostos, comunitariamente fechados, ocupam terras de terceiros, causam distúrbios aqui e ali, etc.

A Lei condena actos individuais, não responsabilidades colectivas. Está certo. Portanto, se há ciganos (cidadãos iguais aos outros) que prevaricam, que sejam punidos como os outros. Não se julga comunidades ou grupos sociais, julga-se os seus membros. Muito bem. O problema é quando tais membros prevaricam, não porque o decidem, mas porque são mais fiéis a regras internas, ou a “morais” internas da sua “comunidade” que às regras estabelecidas e aceites que fazem parte das obrigações dos cidadãos em geral.

Não pode ser aceite que as regras particulares de qualquer grupo humano contrariem ou ofendam a lei geral. Se, por exemplo, um clube, nos seus estatutos, proibir a entrada de mulheres (ou de homens), essa regra não será conforme ao Direito. A “comunidade” cigana tem normas, é certo que não escritas, que estão neste caso, e não é o facto de serem orais, ou consuetudinárias, que as isenta de ilegalidade.

Resumindo e concuindo, o senhor Ventura não tem razão, o senhor Quaresma também não. Nem o senhor Ventura á fascista, nem o senhor Quarema herói.

E os políticos em geral, amantes da “correcção”, põem tudo de pernas para o ar. Recusam a existência de problemas, que existem, em favor da repetição exaustiva dos clichés da moda, que nada adiantam.

 

9.5.20

2 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub