Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

HISTÓRIA E HISTÓRIAS


Anda para aí uma campanha de louvaminhas aos frequentadores da velha Casa de Estudantes do Império, entre os quais se contavam pessoas de bem, assassinos, chefes tribais e, sobretudo, aderentes ao bolchevismo então ainda em voga em círculos europeus e africanos.
No fundo, bem lá no fundo, trata-se de, literalmente, branquear a descolonização, dita exemplar pelos seus principais autores. Tal exemplaridade ficou bem expressa em dezenas de anos de guerras, massacres, assassínio políticos, centenas de milhares de mortos, fome, tortura, destruição económica, miséria humana e marxismo primário, pelo menos nos pricipais territórios do Império, bem como na expulsão ultra-racista de quase um milhão de brancos que por lá mourejavam.
Pois bem, numa luzida sessão da tal campanha o senhor Jorge Sampaio adiantou a brilhante ideia de que é preciso “reescrever a História”, já que “não há apenas uma verdade” sobre o assunto. Muito bem. O problema é que a tal “reescrita”, nas palavras, na cabeça e na intenção do proponente não pode deixar de ser a aceitação e louvor do que se passou e dos seus protagonistas, como bem o prova a postura política, não histórica, de há longos anos afirmada e reiterada pelo dito.
Não tarda que historiadores encartados se encarreguem de pôr os pontos nos is: o Infante passará a ser um furioso esclavagista, Dom João II será uma besta, Vasco da Gama nunca devia ter nascido, o Cabral não passava de um marujo de segunda e por aí fora; os soldados portugueses que por lá perderam anos de vida serão transformados numa corja de bandoleiros; foi tudo uma vergonha e, bem vistas as coisas, a verdadeira história começou com a honrosíssima fuga dos “militares de Abril” em 74/75 e com os “acordos” político-militares gloriosamente celebrados, traídos, ignorados ou levados por diante . O Rosa Coutinho passará a merecer o Panteão da República e o Agostinho Neto transformar-se-á num doce paizinho.
É evidente – já o tenho dito várias vezes – que a II República não soube, ou não quis, preparar o fim do Império em condições de dignidade nacional e de respeito pelo futuro dos “descolonizados”. Mas não é menos verdade que a forma como esse futuro foi iniciado não podia ter sido menos “exemplar”, para dizer o menos.
Temo que a iniciativa (mais uma!) do senhor Sampaio redunde, como manda o politicamente correcto, em mais um tiro na alma de todos nós, se é que tal coisa ainda existe.

 30.5.15

4 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub