Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

ISTO É

 

Na última marcha popular organizada pela CGTP/PC (ontem, hoje não sei se já houve outras), havia uns artistas que exibiam uma pancarta original. Rezava assim:

 

 

“A minha reforma é propriedade privada!”.

 

Será que esta frase escapou ao general Carlos, ou foi obra de algum infiltrado, por certo fascista ou “neoliberal”, desses que andam para aí a defender, contra o povo, a propriedade privada? Não se sabe.

Mas, fosse a pancarta espontânea ou programada, uma coisa é certa: é mentira.

A reforma de cada um não é propriedade privada, muito menos de cada um. É, teoricamante pelo menos, a parte que a cada um cabe no rendimento de um fundo constituído a partir de contribuições de trabalhadores.

Isso de ser “de cada um” é uma norma fascista, do tempo em que o Estado Novo, na sua filosofia “assistencialista”, formou a chamada “Previdência Social”. Dando mostras do mais horrível capitalismo, a ditadura propunha-se pagar reformas a partir das reservas matemáticas dos cidadãos, de cada cidadão. Uma evidente manobra do patronato reaccionário. Até, imagine-se, os governantes da época permitiam-se pedir dinheiro emprestado à Previdência, e pagá-lo com juros, o que mostra bem a agiotagem em vigor à época.

 

Felizmente, veio o socialismo. A Previdência, à mistura com tantas outras coisas, foi nacionalizada, isto é, passou a ser “nossa”, isto é, passou a pertencer, e muito bem, ao colectivo e não ao individual. Uma grande conquista da revolução. Tendo passado a ser “nossa”, isto é, do Estado, o Estado passou a geri-la, isto é, a usar os meios disponíveis para outros fins que não os que o tenebroso capitalismo tinha imaginado, isto é, num magnânimo alarde de fé no “Estado Social”, o dinheirinho qie lá tínhamos posto passou, e muito bem, a ser distribuído com critérios de “justiça social”, isto é, por muito mais gente e para muito mais fins que não a tal reforma.

Numa palavra, passaram a vigorar critérios de solidarierade socialista.

Resultado, a partir de certa altura (governo PS/Pinto de Sousa) quando as pessoas começaram a ir à procura da reforma, e mesmo as que já a tinham, viram-se na contingência de não as vir a ter ou de vir a ter muito menos do que julgavam, isto é, o dinheiro tinha-se acabado, isto é, tinha sido distribuído segundo os critérios do socialismo.

Por óbvia consequência, os que se revêem no socialismo e gostam dele, não deveriam queixar-se, isto é, a massa que descontaram deixou de ser, egoisticamente, de cada um, e passou a ser distribuída “solidariamente”, para outros fins. De que se queixam? Até deviam estar contentes pelo destino “social” que o Estado socialista lhe deu!

Pensar-se-ia que a CGTP/PC seria a última a protestar. Deveria, pelo contrário, dizer aos seus seguidores, incluindo os profissionais de manifestações, que deviam orgulhar-se por ter contribuído para a “sociedade”. E, entre outros, aquela senhora, apre!, que parece estar sempre a sair do cabeleireiro, deveria ser objecto de um bom conselho do Oco: ó filha,não protestes, isto é o socialismo!

 

Isto é, como dizia a dona Margarida Tatcher que, coitadinha, já lá vai, o socialismo acaba quando se acaba o dinheiro dos outros.

O problema é que, por cá, o dinheiro dos outros já se acabou, mas o socialismo continua por aí. É constitucional, gaita!

 

13.4.14

 

 

António Borges de Carvalho

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D