Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

LA SPLENDEUR DE LA FRANCE

 

Nos esplendorosos salões do Eliseu - retrato da grandeur de la république -, iluminado por lustres rebrilhantes de cristais boémios, rodeado de preciosas tapeçarias, de gloriosos testemunhos da gaulesa história, de alabastros e balaústres, enquadrado por ogivas e arcarias, alçado em elevado palco, um pequenote mal enjorcado perorou ideias que, de baças e estúpidas, só têm paralelo lá para os confins das lusitanas plagas, no discurso dessoutro homúnculo, conhecido por Seguro nos jornais e por Oco neste blog*.

 

Agastado com a infame campanha sobre a sua vida privada, o jacobinão-mor deve estar a preparar o terreno para uma nova união de facto. Cansado da Segolène, da Rotweiller, da outra e do apartamento da máfia, o fulano já deve ter mandado preparar a Lambretta e o capacete para ir ao encontro da dona Ângela, rechonchuda e almejada substituta da actriz. Consta até que já mandou alugar um tê zero em Berlim. Que outra explicação arranjar para a extraordinária proposta de um “casal franco-alemão”?

 

Será que o homem nem sequer percebe que noiva se está marimbando para a França que há e que pouco tem a ver com a que o palerma acha que ainda existe?

Será que o homem não percebe que, lá na terra dela, as pessoas aceitam cortes nos vencimentos quando é preciso, em vez de vir para a rua aos gritos, como as mesnadas dos sindicatos franceses?

Será que ainda não meteu no bestunto que a noiva não aceitou até hoje nenhuma das propostas de namoro da importantíssima França, que já não tem importância, nem voz, nem dinheiro para andar por aí a armar ao pingarelho?

Será que ainda não interiorizou que está numa camisa de onze varas, como a Espanha e a Itália, e muito mais perto das lusas chafaricas que do poderio da noiva, ou até dessoutra grã-rival, a ditosa Britânia?

De certa forma, aceite-se que este ridículo pretendente mais não seja que um digno sucessor de tantos outros, que sempre declararam que a République era o máximo: o velho leão De Gaulle, que achava que tinha ganho a guerra e fazia a vida negra aos americanos e aos ingleses; o Giscard, que achava que La Fraaaannnce ia “dar” uma “constituição” à Europa; o gigante dos anões, Miterrand, e as suas fanfarronadas; o simpático Sarkozy, que teve que meter na gaveta os seus propagandeados eurobonds; etc..

Aos outros, ainda assistia poder gabar-se de uma economia a funcionar e de um Estado “social” longe de dar com os burrinhos na água. Este, que não tem nada disso, melhor faria se se “casasse” com os que, como ele, têm problemas graves, a fim de enfrentar com alguma força a noiva que escolheu, em vez de querer casar muito acima da sua classe. É que os casamentos desiguais não costumam dar bom resultado.

Para além da proposta de noivado, o mais que disse, ou foi puro bla bla, ou foi de tal ordem que o nosso estimado Soares, se o homem não fosse socialista, não tardaria a acusá-lo que ultra-hiper-super-neo liberal!

 

15.1.14

 

António Borges de Carvalho

 

*Ainda ontem, dizia este artista que, “se houver outro resgate em Portugal, só há um responsável: o governo e, em particular, o primeiro-ministro”. Este grito de alma calou bem nos nossos corações: é que, ignorantes como somos, julgávamos que o resgate em curso, que a crise em curso, que os cortes em curso, eram da exclusiva responsabilide do partido do Oco, quando, durante mais de seis anos, o senhor Pinto de Sousa se encarregou de nos arruinar. Mas, na imaginação psicopata do Oco, o senhor Pinto de Sousa nunca existiu, muito menos o “outro” PS. E, se tivessem existido, a culpa seria – um guess – do Dom Fuas Roupinho.   

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D