Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

MINISTERIAIS PRIVILÉGIOS

Segundo uma revista que há para aí, o ministro P. Lima e a ministra M.L. Albuquerque, ambos residentes no concelho de Cascais, terão querido fazer umas obritas lá em casa. Tanto um como o outro caíram na asneira de pedir licença à Câmara local. Se tivessem vindo perguntar ao IRRITADO, este, cidadão que se preza de ser irresponsável, tê-los-ia aconselhado a fazer as obras sem pedir licença nenhuma. Se a câmara viesse chatear, paciência, as obras estavam feitas e, mais papel menos papel, mais ano menos ano, ficava tudo nos conformes.

Dado que são membros do governo, terão sido ilegitimamente ajudados pela autarquia, no parecer da revista em causa e da oposição camarária. Assim, o P. Lima viu a sua pretensão autorizada em 541 dias (um ano e meio), enquanto a M.L. Albuquerque esperou 1.462 dias (quatro anos e dois dias). Acresce que o primeiro precisou de esclarecer cinco questões, sabe Deus com quantos papéis à mistura, tendo, à segunda, sido levantadas “pelos técnicos vinte e cinco questões”, com certeza com a obrigatoriedade de, pelo menos, uns cem papéis.

O IRRITADO, felizmente, não tem relações com a câmara de Cascais. Conhece a de Lisboa, à pala da qual tem sofrido e pago com língua de palmo as suas preocupações legalistas, o que justifica o conselho acima dado aos ilustres membros do governo.

Imagine-se que os cidadãos objecto da denúncia da revista pertenciam às gentes que, tendo nome, costumam ser tratadas, com desbragada falta de respeito, por “cidadãos anónimos”. O que lhes teria acontecido? Quantos anos teriam esperado pela licença da câmara? Oito? Dez? Nada que não seja a receita normalmente aplicada ao comum dos mortais pelas democráticas autoridades, seus “técnicos”, engenheiros, arquitectos, juristas, economistas, contabilistas, mangas de alpaca, contínuos, vereadores (vereadores é pouco provável, já que tais e tão altos senhores não têm por hábito descer à fala com a canalha),isto sem contar com o enxame de parasitas que circulam nestas áreas, os da Certiel, os da EPAL – no caso vertente o SMAS ou lá o que é -, os da certificação energética, os tipos que tratam do ruído, o Instituto da Soldadura e mais as “autoridades”, as “entidades”, as “comissões”, os tipos do património, os da classificação arquitectónica, os bombeiros, isto, é claro, se o infeliz não cair nas garras da Junta de Freguesia, da Assembleia Municipal, etc. e tal.

O IRRITADO junta-se, portanto, à revista que pôs a boca no trombone. Não há direito! Então um ministro espera só um ano e meio? Uma ministra espera só quatro anos e dois dias? O que é isto?

Privilégio! Ilegalidade! Falta de respeito pelo poder local democraticamente eleito! Quem sabe se corrupção?

Além de tudo o mais, o fantástico presidente da Câmara de Cascais já veio descansar as almas: vai fazer inquéritos, suspender, despedir, perseguir os culpados de tão curtos prazos de decisão e, se calhar, de coisas piores. Onde iriam parar as câmaras se os seus funcionários fossem sempre tão rápidos como o foram nos casos dos ministros? Despediam metade do pessoal? Ficavam com menos taxas? Que horrorosa perspectiva!

Acabar com os privilégios, e já! O povo é quem mais ordena.

 

6.12.14

 

António Borges de Carvalho

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub