Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

NAÇÃO VALENTE

 

Este verso de “A Portuguesa” é usado pela Iniciativa Liberal (liberal na economia, radical na sociedade, a fazer inveja aos tarados do Bloco), julga-se que para animar a malta. É a filosofia do senhor de Belém a frutificar – somos os maiores, os mais bonitos, os mais inteligentes, bla, bla, bla.

Valente?, pergunta o IRRITADO. Valente? À rasca, é o que é. O pânico é generalizado, anda tudo a tremer de medo. Chamar-lhe valentia é como dizer que a terra é cúbica. Podiam dizer “Nação consciente”, ou outra patetice do género, mas “valente”, pior que wishful thinking, é pura fantasia.

*

Um tipo pagou-me uma dívida com um cheque, meio de pagamento a cair em desuso, como é sabido. Quis depositá-lo. A minha agência está fechada. A máquina do multibanco deixou de receber cheques. E agora? Telefono ao “gestor”, o tipo diz-me que há uma agência aberta a cerca de um quilómetro: vá lá, mas tenha calma, não se excite. Lá vou eu. Era meio dia e pouco. Chego à tal agência, estava fechada, só depois da uma, que o pessoal almoça do meio dia à uma. Pensei que devia haver um só funcionário, coitado, tinha de comer. Vim a verificar que havia dois, não percebi porque não podia um almoçar do meio dia à uma e outro da uma às duas, por exemplo. Enfim, um pormenor. Apesar do aviso do “gestor”, comecei a ficar nervoso. Dei umas voltas ao quarteirão, para fazer tempo. Exactamente à uma, estava à porta da agência. Porta fechada, luzes apagadas, uma tristeza. Toquei à campainha. Nada aconteceu. Com o nervoso miudinho a crescer, toquei mais umas vezes. Até que ouvi uma vozinha que parecia vir das profundezas do inferno, dizer: o que deseja? Isto está aberto, perguntei? Sim, o que deseja? Desejo entrar. Sim mas para quê? Para entrar, sou cliente deste banco, o banco está aberto, abram a porta. Mas para que é que quer entrar? Para tratar de um assunto. Ao fim de mais uns episódios deste interessante diálogo, acabei por convencer o indivíduo a abrir-me a porta. Cheio de fé, cheque em riste, aproximei-me da gaiola de vidro onde o tipo, ao ver-me, colocou a mascarilha. Enfiei então o cheque na ranhura disponível. O animal perguntou-me: para que é o cheque? Sendo de outro banco, é lógico que só posso querer depositá-lo, não é para limpar o rabo. Foi o que disse. O homem ficou ofendido, julgo que no seu impecável profissionalismo. Eu já estava eléctrico. Receba o cheque, dê-me o comprovativo, e deixe-se de merdas. Nisto, surge das profundezas da loja outro fulano (como vêem, havia dois, mas almoçavam à mesma hora, que isso de comer sozinho é uma chatice). Ameaçador, em demonstração da mais justa indignação, desatou a dar-me uma lição: então “você”, que anda na confinação, não reconhece que nós, dedicados servidores do público, arriscamos a vida para lhe prestar serviços? “Nós” eram os dois mânfios de serviço, com menos de quarenta anos. Uns valentes (como a Nação!), uns sacrificados, uns heróis da solidariedade, maravilhosos cidadãos a que todos devemos o supremo sacrifício de depositar um cheque.

Pus-me a andar, antes que dedicasse aos dois idiotas o chorrilho de palavrões que mereciam. Corajosos? Valentes? Heróis? Uma ova, dois maricas borrados de medo, a julgar que são gente.

Deve ser a este tipo de malta que a IL atribui a valentia da Nação.

 

15.4.20          

6 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub