Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

NAS MÃOS DA DESGRAÇA

 

Andando o autor a passear em terras do Norte desta tão assustada Europa – não tenham inveja, está um frio de rachar e chove a cântaros – tem o IRRITADO sido abandonado à sua sorte, isto é, esquecido.

Ver de longe a monumental trafulhice política em que estamos metidos seria risível, se não fosse triste.

Devemos a Costa duas aberrantes novidades. A primeira é que isso de ganhar ou perder eleições depende, não dos votos dos eleitores mas da capacidade de os manipular via uso de somas de bananas com pepinos. A segunda é a não aceitação pela esquerda, de algo de que sempre se orgulhou: o semi-presidencialismo à portuguesa. O regime, que a esquerda sempre defendeu como semi-presidencialista passou, por artes de bruxaria política, a ser semi-parlamentar!

Muito bem, diz esta gente, que o presidente, se for de esquerda, possa livremente (democraticamente, porque foi eleito pelo povo) usar os seus poderes como entender.

Assim:

- Eanes, da esquerda folcórico-castrense, era livre de designar governos “presidenciais”;

- Soares, socialista, podia recusar maiorias parlamentares que lhe apresentavam soluções maioritárias que não eram do seu agrado;

-Sampaio, socialista, fazia muito bem em dissolver um parlamento com maioria estável e coerente, porque não gostava do Primeiro-Ministro e tinha os seus à perna para apanhar o comboio do poder.

Tudo bem, tudo constitucional, tudo admirável, tudo legítimo.

Porém, não sendo o Presidente de esquerda, já não tem direito a exercer, sequer a ter poderes, mesmo os que estão, clarinhos como água limpa, na sacrossanta Constituição socialista que ainda nos rege.

Na cabeça dos trafulhas e de inúmeros “constitucionalistas” (cambada de aldrabões, para usar liguagem própria do cidadão comum), este Presidente é menos que os outros. Ao contrário de Eanes, Soares ou Sampaio, a única coisa que lhe cabe é ceder às pretensões da esquerda, mesmo que elas lhe não agradem, mesmo que as considere uma ameaça terrível à viabilidade do Estado, à natureza e à decência política do regime.

Facto é que o nosso constitucional esquerdismo tem algumas escapatórias. Diz a Constituição que ao Presidente cabe “garantir o regular funcionamento das instituições democráticas”. A quem cabe definir tal “regularidade”? Exclusivamente ao Presidente, uma vez que outra nenhuma instância é para tal competente. Diz a Constituição que cabe ao Presidente “nomear o Primeiro-Ministro”... “ouvidos os partidos... e tendo em atenção os resultados eleitorais”. Em parte alguma da dita Constituição consta qualquer limitação a estes poderes, muito menos que o Presidente seja obrigado a “comer” quaisquer maiorias que lhe forem propostas pelo Parlamento. Soares não “comeu” disto, Sampaio também não. No entanto, quando Cavaco parece disposto a seguir atitude da mesma natureza, passa, na boca das criaturas ordinárias e desbocadas que se querem donas do poder, a ser um “palhaço”, uma “múmia”, isto para só citar altas figuras e não entrar em linguagem ainda mais reles, tão própria dos tempos e das ambiciosas criaturas da nossa (deles) miserável esquerda.

Chegámos, por obra e graça das ilegítimas ambições do principal derrotado nas eleições, a uma situação em que todas as hipóteses são más:

  1. A nomeação de um governo totalmente inviável, instável, fruto da tal soma de bananas com pepinos e até, materialmente, anti-constitucional ;
  2. A manutenção do actual governo em gestão, com os díscolos parlamentares à perna por dá cá aquela palha;
  3. A renomeação do governo ora já em gestão, com as mesmas consequências;
  4. A indigintação de um PM exterior ao parlamento, que teria curto destino, além de ser de mais que duvidosa constitucionalidade.

Todas más soluções, todas a levar à quebra da confiança, interna e externa, todas a deitar por água abaixo tudo o que dolorosamente foi conseguido ao longo dos últimos quatro anos, todas a pôr fim ao caminho de recuperação que toda a gente já sentia. Quem acredita na “solução” Costa que leia o que se diz e escreve por esse mundo fora e que veja o que já se está passar cá por dentro.

O IRRITADO muda de opinião: a solução menos má será, apesar de tudo, a segunda. Na esperança, talvez infundada, de que o sucessor de Cavaco tenha a coragen, o respeito pelos cidadãos e a noção de Estado suficientes para convocar eleições o mais depressa que puder.

 

22.11.15

8 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub