Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

NOME DE MUSEU

 

Com justificado orgulho, Portugal criou “The first global village”, como alguém lhe chamou. Espelhado magistralmente nos Lusíadas, esse orgulho acompanhou a Nação durante séculos. A Monarquia caíu em boa parte porque contra ela foi esgrimida a acusação de não ter conseguido defendê-lo (cedência ao ultimato britânico). A primeira República foi quase diria ultramontana na sua defesa, ao ponto de se meter numa guerra sem sentido, com outro objectivo que não fosse o de o manter vivo (nobre povo, a marchar contra os canhões). A segunda República explorou-o à exaustão, apropriou-se dele, nesse aspecto mais não fez que seguir a primeira com outros métodos. A terceira acabou com o Império, mas manteve o orgulho, implantou a esfera armilar na bandeira, consagrou o orgulhoso hino, criou uma comunidade com os que da espansão provêm e, à excepção dos brazões da Praça do Império, manteve os testemunhos, a simbologia, os monumentos que comemoram a expansão e a presença global de Portugal.

Lá fora, mais do que nunca, há quem escreva sobre a obra portuguesa, a descoberta do Orbe, os horizontes rasgados pelos portugueses. Em Washington fez-se uma exposição dedicada à abertura do mundo nos séc. XV e XVI, onde Portugal ocupava o lugar que lhe competia, o primeiro.

Até que... até que uma nova “filosofia” surgiu dos esgotos das universidades e das “fracturas” da esquerda nisso especializada. A Universidade de Coimbra, por exemplo, tem um instituto dedicado exclusivamente à denúncia do orgulho e à implantação de um sovietismo bacoco. O politicamente correcto tem cogumelos ideológicos a brotar por toda a parte. A ideia de um Museu dos Descobrimentos é cuspida nos jornais com as mais variadas desculpas, julgamentos, aplicação dos valores propriamente ditos e dos valores com aspas do séc. XXI aos sec. XV, XVI, XVII e XVIII.

Uma nova história vai sendo escrita, propagandeada sem escrúpulos por uma comunicação “social” sedenta de novidades. Como os nazis queimavam livros e incendiavam sinagogas, a “nova” esquerda queima a História propriamante dita para a substituir pela que a ideologia impõe. O caminho é clássico, conhecido, repete-se com nova roupagem. Sobre as ruínas de um passado recriado fundar-se-à o “homem novo”, o novo escravo do Estado omnipotente.

No meio disto, o mais grave é que a esquerda “velha”, o PS, se encolhe, medroso e merdoso, não resiste, não denuncia, hesita, entrega-se, traindo os seus maiores da primeira República.

De calças na mão diante da Catarina, Costa deve andar a pensar num novo nome para o Museu dos Descobrimentos.

 

26.6.18

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D