Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

NOS BRAÇOS DO INFINITO

O infinito, por definição, não tem princípio nem fim, diziam Einstein, o Amigo Banana, o Monsieur de Lapalice e o IRRITADO.

Vem isto a propósito da incompetência do governo, que parece fazer concorrência ao infinito.

No caso do aeroporto, como é sabido, o espantoso ministro das obras públicas não conhecia a lei em vigor. Nem, em quatro longos anos de governo e de “decisões” aeroportuárias, tinham o chamado primeiro-ministro e o “escol” governamental, mais o PC e o BE, dado pela existência de tal lei, que os próprios assinaram. Foi preciso vir um tipo da Moita perturbar o doce remanso das decisões em curso. E agora? Ninguém sabe qual vai ser a mágica governamental para descalçar a bota, mas é de esperar que seja inteligentíssima, como de costume.

Esta história é um bom aperitivo para a seguinte, a do coronavírus. Tantas e tais são as iniciativas, as ordens, as previsões, as cautelas, os conselhos, as preparações, as recomendações, as declarações que, se funcionassem, era um descanso, não era? O problema é que a primeira de todas as atitudes a tomar pelas pessoas, segundo o governo, é a de ligar para o SNS logo que haja sintomas da infecção. Como a prática veio a demonstrar, o telefone do SNS está com a capacidade de manobra reduzida. E outro, dedicado aos médicos, também.

A senhora que é tida por ministra da saúde não sabia de nada, a criatura que é primeiro-ministro também não. Ambos, na sua ilimitada ignorância, na sua fatal incompetência ou na sua vasta capacidade para enganar o Zé, garantiram que estava tudo a funcionar maravilhosamente. Era mentira, mas não faz mal. Quando alguém chamou a atenção para a evidente inutilidade da tal senhora, foi respondido pelo chefe que “no meio da guerra não se demite generais”.

Mas a onda estava alta, e tinha que bater nalgum mexilhão. Quem? Um simples coronel, o presidente da obscura “entidade” que, entre outras coisas, parece que toma conta dos telefones. Por isso, uma tal Jamila (raio de nome) telefonou ao coronel, e disse: “olhe, amanhã já não vai ao trabalho”.

O homem não gostou, e desbroncou-se. Então ando eu há meses e meses a pedir para falar com a ministra sobre a situação e a fulana moita-carrasco, e agora, sem mais nem menos, põem-me os patins? Então ando eu a protestar por me terem tirado 14 milhões ao orçamento, o que impede o reforço dos telefones que nem em tempos sossegados têm capacidade para atender toda a gente, tudo sem que me liguem pevide, e vem agora a Jamila, num alarde de falta de educação, telefonar a pôr-me na rua?

Como no caso dos fogos, tudo funciona na perfeição até ao momento de ser preciso que funcione.

Manda a infinita incompetência governamental que se arranje um bode qualquer para distrair a plebe. No caso, lá se foi o tipo dos telefones, culpado de não ter meios, nem técnicos nem humanos, nem software nem não sei mais quê, tudo porque um tal Centeno, mancomunado com o Costa e com a Temido, anda há dois anos a cativar as verbas.

Sim, culpado, rua!

O que vale é que, na habitual opinião da esquerda, a incompetência jamais (jamais!) poderá ser atribuída seja ao governo seja ao PS.       

 

6.3.20

ET. Já este post estava publicado, eis que ouço a ministra da saúde dirigir "as suas condolências às famílias dos infectados"... rapariga esperta!

1 comentário

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub