Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

QUE BOM!

 

De há longos anos conhecíamos as “doutrinas” do Centeno, bem como os seus brilhantes resultados, os orçamentos do Estado aldrabados com  cativações, as ribombantes declarações sobre a “não austeridade”, os aumentos de impostos, o emagrecimento da economia, a falta de dignidade e de vergonha com que se assenhoriou do Banco de Portugal, etc.

Ei-lo agora a vir, do alto púlpito tal banco lhe garante, disfarçar os seus erros e presentear-nos com novos palpites, num nunca acabar de falta de senso, de lata e de auto-elogio. Veja-se a basilar declaração, vastamente por aí reproduzida, como segue:   a crise pandémica é “exógena, temporária e não deixa marcas na economia além da queda da atividade”. Vejamos a lógica do luminoso intelecto de sua excelência. A crise pandémica (coisa vinda de fora) provocou a queda brutal da actividade económica, ou seja, uma coisa menor, que não vai deixar marcas. Por outras palavras, o desemprego, as falências em catadupa, as pessoas fechadas em casa, a morte dos hotéis, dos restaurantes e similares, o fecho das escolas e todo o cortejo de miséria que por aí grassa, é mero pormenor, um pequeno inconveniente que "não vai deixar marcas”, a não ser “temporárias”, na economia.

Deve ser por isso, diz ele, que as medidas de apoio à economia devido à pandemia vão ter de terminar. Tem toda a razão. É que, seguindo o seu brilhante raciocínio, se as marcas são temporárias, não há nenhuma razão para que os apoios não o sejam também. Uma triste verdade, se pusermos as coisas no sítio: os apoios não vão acabar por não ser precisos, vão acabar quando acabar o dinheiro. Desde que, é de ver, sem que o socialismo acabe também.

Vem aí a bazuca (se vier). A bazuca vai a judar o país a sair da crise? Vai, se considerarmos que o país "é" o socialismo. É por isso que os planos do governo são, quase exclusivamente, para auxílio ao Estado, não à economia. A bazuca, como está expresso no chamado PRR, é, acima de tudo, o seguro de vida do socialismo estatista, não o balão de oxigénio que ajude a salvar o futuro da economia.

Em extremosa cooperação com o poder socialista/comunista/neo-comunista, vem Centeno corroborar, por exemplo, as palavras do inaceitável Costa, quando anuncia a contratação de mais uns milhares de funcionár0s públicos, ou seja, de eleitores.

E é nesta doce harmonia dos poderes públicos que vivemos. Que bom!

 

8.5.21

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub