Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

REGRAS E EXCEPÇÕES

 

Segundo as loiras de serviço, os jogos de futebol podem voltar, mas sem espectadores (espetadores, em novilíngua). Ao mesmo tempo, coerentemente, as fulanas congratulam-se com a presença de 180.000 pessoas nas praias da Caparica no último Domingo, um sinal de “desconfinamento”

Nada tenho contra os banhistas, a não ser contra o presidente da República que, se tivesse juízo, tomava um duche lá em casa e apanhava sol no telhado, em vez de vir exibir o fraco físico perante os “espetadores” de Cascais e os trabalhadores das TVs, estes por certo para o efeito convocados, ou convidados com hora marcada e tudo.

Nada tenho de especial a favor do futebol, apesar de, de vez em quando, ver um jogo na televisão.

Tenho tudo contra as loiras. À semelhança de milhões, já nem pintadas (não estou a a falar de cabelos)  as posso ver. Bem podiam deixar se armar em estrelas e produzir um relatório a ser lido pelos fulanos dos media. Chegava, ou até sobrava.

De volta à bola, verifica-se que as incríveis autoridades que nos dão cabo das liberdades mais básicas e simples, são as mesmas que arranjam maneira de deixar o PC fazer manifestações na Alameda, com autocarros aos montes, sim, os autocarros que proibem a quem não é do PC, que põem 130 mânfios a comemorar o 25 (de Abril!) na AR, ao mesmo tempo que proíbem à canalha que junte mais 100 em ocasiões especiais e especialmente autorizadas por quem de direito. Os mesmos que tecem loas às organizações “devidamente programadas” (do PC), com máscaras e afastamentos, são os que proíbem que, num estádio com 50.000 lugares, possam entrar dois, cinco, ou dez mil, mesmo que devidamente afastados, cheios de máscaras, de pára-brisas, de luvas, batas, fatos espaciais ou outras paspalhices da cartilha.

Para conveniência do texto, acreditemos que é perigoso estarmos juntos, e cumpramos as regras: que decidimos, ou decidiríamos? Talvez assim: 1- só pode haver “espetadores” que não espetem o vírus uns nos outros; 2 - vamos cancelar 2 terços das bancadas, fila sim, fila não, fila não; 3 - obriguemos as pessoas a sair e a entrar uma de cada vez e à distância regulamentar; 4 - outras patacosadas deste género. Talvez fossem soluções que não causassem muitas erisipelas às loiras nem às restantes, e sobejantes, “autoridades”. Mesmo assim, uma ideia a pôr, liminarmente de lado. Elas querem é silêncio nos estádios.  

E eu que julgava que jogos sem espectadores é que não, mas não contava com as cabeças privilegiada das loiras, com a sede de poder do PS, com a cobardia generalizada da plebe e, quem sabe, com a democracia à moda do PC, desde que garantida a festa da outra banda.

Deixem a bola girar sem ser no silêncio dos cemitérios.

 

25.5.20

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 26.05.2020

    Ora cá está o guarda Ricardo. Viva a Suécia.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    O autor

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub