Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

SEM PAPAS NEM BOLOS

 

O Novo Banco vendeu património tóxico por preços ditos abaixo do valor de inventário. Levantou-se uma onda de protestos, declarações políticas, artigos de jornal, o diacho. Anda meio mundo entretido com a história.

Num país em que as “autoridades”, “entidades”, “reguladores”, “comissões”, etc. e tal, se multiplicam como cogumelos, eis que o banco faz passar as tais vendas por todos os ficalizadores com poderes sobre o assunto. Todos as aprovam, e eis que, afinal, segundo milhares de abalizadíssimas opiniões, a coisa é suspeita e até a procuradoria da República é chamada para vasculhar os “crimes” que a dona Mortágua, o senhor Rio e quejandos não deixarão de descobrir.

Vamos lá a ver. O Centeno vendeu o BES a um fundo americano, e criou o Novo Banco, um banco “bom”, sem imparidades - como agora se chama aos buracos. Mas o tal fundo, que não é parvo, tratou de descobrir que havia por lá imparidades com fartura, e tirou o cavalinho da chuva: ficou estatuído no contrato que subscreveu com a geringonça que, a haver prejuízos na tapagem dos buracos, tais prejuízos eram da responsabilidade do Estado. Feitas as contas aos milhões envolvidos, o tal Estado, ou a geringonça por ele, criou um fundo de milhões para cobrir os inevitáveis prejuízos. Vai daí, como era esperado, deu-se o que se dá em todas as operações do género: cumprindo as normas aplicáveis, os activos “imparidogénicos” foram vendidos à melhor oferta, com vastos prejuízos em relação aos seus valores contabilísticos.

As vendas foram feitas com autorização de todas as entidades competentes, cumpridas que form as normas dos vários reguladores - o principal dos quais hoje em dia nas mãos do mesmo Centeno que assinara o contrato -, os restantes cumprido o estabelecido pela geringonça e seus vários agentes. Os milhões estavam distribuídos por tranches, a pagar em determinadas condições. A certa altura, o primeiro-ministro, ignorante na matéria, vergou-se à demagogia do BE e declarou que nem mais um tostão, pelo menos enquanto não se soubesse o resultado de uma auditoria. Veio a saber-se que tal auditoria nada tinha a ver com o assunto e que o Centeno já tinha pago a fatia para a data e o montante previstos, sem dar cavaco ao chefe (não tinha que dar). Tudo nos conformes, excepto as bocas maradas do Costa.

A alcateia movimentou-se. Se não havia ilegalidade, tinha que haver. Se calhar, até havia crime! Daí, começou nova dança, para entreter o pagode. E veio a tal auditoria que, por “acaso”, até se referia aos tempos do antigo BES, coisa que já está ao cuidado da Justiça. O governo, como de costume, em vez de defender o que era da sua única e exclusiva responsabilidade (quem, eu?), chutou para canto: mandou a coisa para a Procuradoria da República. As esquerdoidas e o Rio resolveram criar uma comissão de inquérito para discutir o que toda a gente sabe, ou seja, o que está nas mãos da Justiça e o que foi contratado com o fundo comprador, nos termos que o Centeno e o Costa quiseram.

O pagode assiste, não percebe (valerá a pena?) o que esta gente quer, para além de distrair cada um do que lhe devia interessar.

E assim vai a terrinha.

 

3.9.20

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D