Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

TAP

Não é preciso ser um especialista em aviação para perceber que as chamadas “companhias de bandeira” deixaram de fazer sentido. Têm os dias contados. Boa ou má (boa e má), a globalização deu cabo do conceito.

Será a procura o que determinará a viabilidade das rotas e das companhias de transporte aéreo. Não é por acaso que a TAP foi sempre deficitária, só tendo tido bons resultados uma vez, a confirmar a regra. Não parece, por isso, razoável a insistência na tal companhia de bandeira. Se as rotas com origem ou destino em Portugal forem rentáveis, não haverá quem não queira explorá-las. É uma questão de marketing. Insistir na diáspora ou nos PALOP como justificação já não colhe. Ainda menos colhe querer continuar a sustentar com fundos públicos uma empresa que não consegue nem jamais conseguiu sair do vermelho. Ou será que a geringonça tem alguma mèzinha mágica para resolver o problema?

Para a extrema esquerda tal mèzinha existe, e é a mesma de sempre: a nacionalização. Os camaradas do PS têm outra solução, tão inteligente como aquela: acham que, passando a gestão a ser pública, tudo se resolve: o governo mete lá uns amigos, e acabou-se. Tanto uma como outra destas soluções entra nos domínios do ridículo. Ambas contribuem, com irrefutáveis provas dadas, para os imensos problemas que promovem. O Estado ultrapassa os seus limites, passa a regulador de si próprio, desautoriza-se, falha. E, numa como noutra das soluções os resultados são afins, e inevitáveis: chamam-se ruína.

É discutível, mas tem lógica, que os Estados proporcionem e suportem condições especiais para voos entre os seu territórios mais afastados, ou periféricos, cujas circunstâncias geográficas e a falta de procura tornam tais voos deficitários, portanto não atractivos para a exploração comercial. Trata-se de uma excepção de mero carácter político, um custo para o Estado. É por aí que o Estado devia ficar.

No caso da TAP, seja qual for a “solução” encontrada, estamos estre espada e a parede, ou seja entre um ministro boçal e ignorante e um amigo do chefe. Venha o diabo e escolha. A espada não se entende com a parede, os privados estão fartos das ordinarices de um e do poder informal do outro, o chefe não tem qualquer ideia a este respeito – limita-se, como sempre, a ver de que lado está o vento. Nada de bom se pode esperar. Certo certo é que vamos pagar os buracos que o covide abriu e o atraso nos resultados que a monumental expansão da companhia motivou.        

Os bancos foram ajudados pelo Estado. Tais ajudas (aos bancos que não foram vítimas de gestão danosa) estão pagas, e com bons resultados em juros. As ajudas deram lucro ao Estado! Exceptua-se o maior beneficiário de tais ajudas, a Caixa Geral de Depósitos, que é pública, não paga, o que é difícil de perceber. No entanto, a explicação é simples: vivemos governados por socialistas, sejam moderados, radicais ou estalinistas.

Nada pareceria impedir que o mesmo se passasse com a TAP. Com uma reestruturação radical, mas bem pensada e executada, e com uma gestão de grande categoria e experiência do ramo, acredito que seria possível, em meia dúzia de anos, levá-la a uma situação aceitável, que permitisse a sua venda em condições igualmente aceitáveis. O que não se compagina com ideias estatistas, com socialismos bacocos, com gestões públicas, com “ideais” de companhias de bandeira ou com idiotices pós-coloniais.

 

2.7.20

5 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D