Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

UM DIA PARTIDO E SUJO


A começar a sua interminável oração, o candidato presidencial do PS, Sampaio da Nóvoa, disse, sabe-se lá com que lógica, que “este é um dia inteiro e limpo”. Para ser limpo, era preciso que o orador dissesse de quem era a frase. Não disse. O dia ficou sujo. Quem ali estava era bem característico, nada tinha de inteiro. O dia ficou partido. Depois, em interminável sermão, disse aos “amigos” e às “amigas”, “purque” (sic) estava ali. Purquê? Porque estava a salvar a Pátria, mercê da ética republicana.
Embevecidos, Soares, Sampaio, Lourenço e mais umas centenas de velhadas, ouviam as doutas palavras do senhor.
Parole, parole, parole. De substantivo, pouco ou nada. O homem vai fazer com que o país deixe de estar “frágil”, vai dar cabo da austeridade – mais um que descobriu a árvore das patacas, sem dizer onde nem que patacas –, vai ser de todos sendo só da mais folclórica das esquerdas, como o discurso e a assistência demonstraram. “Que política é esta, que dá cabo da democracia e dos ideais de Abril?”. Aí está. Para ele os tais “ideais” tinham mais a ver com o socialismo e com a esquerda que com a liberdade, mais com a “república”, à boa maneira jacobina, que com a democracia. Apelou à juventude e à renovação perante uma plateia de gerontes. Os alunos das inúmeras faculdades em que espraiou as suas magníficas potencialidades primaram pela ausência, ou nem sequer a organização os convidou, à cause des mouches.
Ele está ali “em nome de um outro projecto”. Não duvido. O projecto do gongorismo prolixo e vazio, ao serviço de uma retórica sem conteudo, ou com um conteudo patriotiqueiro, obsoleto, quase ridículo. O Alegre que se cuide. O partido, nesta matéria, arranjou-lhe um susessor.
As pessoas dizem-lhe pouco. O que o entusiasma é o “público”, o “colectivo”, as “associações”, os “movimentos”. Apesar de irremediavelmente feito com os folclorismos ordinários do Lourenço e com os não menos ordinários dislates do Soares, Nóvoa continua a insistir que é independente. Não tem partido. É como eu, que não sou sócio do Benfica mas torço que me farto. É a independência à maneira lourenciana, em que todos somos livres desde que sejamos todos socialistas e folclóricos.
O orador quer estabelecer laços com as “novas forças que surgem na Europa”. Não disse quais, mas percebe-se: o Syriza, o Podemos, o do Tavares ou lá o que é. Quem sabe, com um jeitinho, tal como o Tripas com os fachos do Peleponeso, também fará uma perninha com a Martine e o Farage. Nada é impossível se, como disse “quem espera nunca alcança” (sic). Percebem?
Mais uma vez, o ilustre académico vem com a historieta de que quer ser “o Presidente de todos os portugueses”, falácia inconstitucional que, de tão repetida, até é capaz de haver quem nela acredite. Não lhe chegará, como aos outros não chegou, ser Presidente da República, como diz a Constituição. Quer ser nosso, xiça! E, como os outros, acha-se titular do “poder moderador e regulador”. Gostava de saber onde é que estes defensores da sacrossanta Constituição encontraram nela tais poderes! Deve ser como os “princípios” que o Tribunal Constitucional encontrou na Constituição sem lá estarem. Uma coisa assim, a modos de mais ou menos, de ça va de soi, não é?
Para quê ir mais longe? Quem gosta de palavreado gongórico e de sermões à antiga, ficou encantado. Quem esperava alguma coisinha para além de esquerdismo balofo e de republicanismo à Afonso Costa, foi um parlapaté triste e ameaçador.
Um elogio falta, desta vez à equipa teatral. Todo bem arrumadinho, o altar era de estalo, a música, como nas corridas de touros, arrancou quando a malta estava mais entusiasmada. Um  friso de gentis meninas e cavalheiros, de preto vestidos, entoou a “Portuguesa”, a tapar a desafinação das massas. Um primor.

29.4.15     

4 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D