Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

UM FUTURO NADA RISONHO

 

Que se poderá dizer do referendo escocês, que não tenha já sido dito por jornalistas, comentadores, políticos, militares, populares e… pelo próprio IRRITADO?

Quase nada, é verdade. A horas de se saber o resultado, uma sensação de angústia me entra no bestunto. Como é possível? Como é possível que Westminster tenha coonestado tal coisa? A resposta seria a do costume: quem propõe, ou permite, um referendo, está convencido de que o vai ganhar. E não o permite se duvidar do resultado. Já pensaram porque jamais a nossa República foi objecto de referendo? Porque jamais foi referendada a Constituição de 76? E porque o foi a de 33?

No caso da Escócia, o tiro saiu pela culatra aos homens de Londres. Queriam acabar com um problema, estavam certos do resultado, era o que diziam estudos e sondagens: o NÃO estava garantido. Não contaram com a violência da demagogia, do populismo, do nacionalismo arrancado os arquivos mortos da História.

E agora? Agora, qualquer resultado será mau, para os britânicos, escoceses incluídos, para os Europeus, para a estabilidade geral. Amanhã, nada será como dantes. Se o SIM ganhar, os pobres escoceses ver-se-ão no mais desgraçado molho de bróculos da sua história, a Grã-Bretanha não saberá como descalçar a bota, a União Europeia, já mergulhada no que se sabe, ficará a braços com questões praticamente insolúveis, a NATO também, e por aí fora. Se ganhar o NÃO, o chorrilho de promessas que Londres se viu na contingência de fazer terá igualmente temíveis resultados, sujeita que fica a velha nação do Norte à emergência dos albertosjoõesjardins e carloscésares lá do sítio ( o que é o demagogo Salmond se não isso mesmo?), armados até aos dentes com a clássica desculpa de que todos os males vêm do “centralismo” de Westminster. O que corre bem será sempre levado à crédito da autonomia federal ou para federal, o que correr mal será escriturado débito da União.

Uma caixa de Pandora se abriu, não se sabendo, como sempre, o que poderá de lá sair. Nunca mais haverá descanso, para os escoceses como para os demais. Tudo porque a melhor e mais antiga democracia do mundo moderno se deixou cair na armadilha da chamada democracia directa.

O IRITADO abomina referendos, como sabe quem o lê. Porque os referendos, antes de mais, são um engano para os eleitores, que, ou não têm elementos objetivos para decidir, e decidem por emoções, ou são levados a tomar decisões sobre assuntos que não dominam, e decidem por convencimentos superficiais.

Como diria La Palice, tudo tem um lado bom, ou menos bom, e um lado mau ou menos mau. Por isso que as decisões políticas devam ser sempre tomadas a prazo, o que não é o caso dos referendos, que obrigam o futuro, mesmo que os eleitores o queiram diferente.

O caso escocês é o pior de todos: trata-se da nacionalidade de cada um, da existência de um país secular, da destruição de uma harmonia que, mau grado diferenças culturais e históricas, fazia o orgulho e a razão ser do mais invejável país do mundo.

 

18.9.14

 

António Borges de Carvalho

4 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub