Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

VENHA O TIRIRICA

O PSD, nasceu “popular”. Por razões de oportunidade política que não sei se a razão conhece, passou a “social-democrata”. Foi sempre, claramente, contra o socialismo, primeiro o imposto pelos militares, depois, em doses menos radicais, adoptado pelo PS. Era o tempo do chamado “socialismo democrático” que Mário Soares defendia e identificava como social-democracia.

A “social-democracia” do PSD nunca passou de um rótulo que só incidentalmente correspondeu à sua imagem política ou ao que os seus apoiantes e eleitores dele esperavam: a oposição ao PS. Filiou-se no PPE, colocou-se no seu sítio, e conheceu, enquanto tal, largos êxitos.

Porém, nos finais do século XX (Sampaio), princípios do XXI (Costa) as coisas mudaram. A velha distinção soarista entre partidos democráticos e partidos não democráticos tinha os dias contados. Aos poucos, os segundos, por obra do “novo PS”, passaram a fazer parte dos primeiros, não por ter declarado o seu amor à democracia liberal, coisa que nunca farão, mas por ter descoberto vantagem na aceitação da mão que lhes era estendida.

O PSD, por seu lado, não foi capaz de capitalizar a entorse esquerdista, oportunista e pouco séria que está no ADN da geringonça e nunca a abandonará. Traindo a praxe constitucional que entregava o poder ao PSD por via eleitoral, o PS enterrou definitivamente o soarismo e a saudável tradição da III República do poder ao mais votado.

Empurrado, à primeira, pelo turismo e os juros baixos e, à segunda, pela pandemia do medo, o PS solidificou o seu poder, sempre devidamente encostado aos partidos não democráticos (na feliz definição de Soares).

Assim, o seu poder tornou-se avassalador. Os abusos do poder pelo PS começaram com Sócrates - os resultados estão à vista - e, vinda a geringonça, tomaram conta da sociedade. Adoptaram a moral esquerdista, dita fracturante, cumpriram a agenda do BE, passaram a mão pelo pêlo do PC, meteram os media no bolso, promoveram a nova “educação”, apoderaram-se de media obedientes e acéfalos ao mesmo tempo que continuaram, e continuam, a proteger uma economia dita “livre”, mas baseada em rendas e privilégios. Invadiram o Estado, privilegiaram os seus intocáveis empregados em prejuízo de terceiros, criaram um novo eleitorado, feito de favores e de excepções que passaram a regras.

E o PSD? Depois de hesitações várias, sem projecto ou ideologia, acabou nas mãos de um fulano que, sem perceber rigorosamente nada do que o PSD, em matéria de sociedade, representa, voltou à velha tónica da “social democracia” e passou a mendigo do status quo, isto é, do PS. Com a ”desculpa” do “interesse público”, passou a compagnon de route do PS, estando à disposição do poder para tudo o que o poder quer, ou seja, para tudo em que o poder não tenha apoio dos seus geringonços de eleição. Não reage, nem pressionado pelo brutal desprezo com que o adversário o brinda. À fatal ausência de quaisquer ideias que o distingam do adversário, o homem responde com repugnante servilismo. Nem de gato precisa para ir à caça: já tem o cão do PS para caçar, mas não percebe que tal cão leva a caça ao dono, não a ele.

Tudo isto redunda num gigantesco problema para a nossa sociedade. Estamos no caminho do pensamento único, do fim do juízo crítico, do esvasiamento de opção outra que não seja a do seguidismo obrigatório. Tudo o que o PSD podia representar deixou de existir às mãos assassinas do seu líder, feliz por ser desprezado, a apoiar quem dele escarnece, sem sombra de ideia mobilizadora ou útil.

Que hão-de fazer os eleitores, habituais ou ocasionais do PSD? Julgo que há uma só solução: continuar, mas exigir, com todas as forças e todos os meios legítimos ao seu alcance, que este ominoso trambolho dê lugar a outro. Será como com o Tiririca: com outro, pior não fica.

 

25.7.20

5 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub