Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

VINTE E CINCO DE ABRIL

 

Entre abraços e beijos, o trambolho Soares, comovido, disse ao Otelo: “Você é o nosso herói!”.

Pois.

Otelo, o “general” do COPCON, que mandava prender pessoas sem sequer saber quem eram, que ameaçou assassinar gentes indiscriminadas no Campo Pequeno, cuja fúria assassina havia de se materializar na fundação e direcção da mais mortífera organização terrorista que a III República conheceu, dezassete pessoas cobardemente assassinadas, vinte atentados à bomba, assaltos a bancos, etc. é… o “nosso herói”. Quem assim o considera foi presidente da república, entre outras coisas… o que o move agora?

Se um canalha de dimensão de Otelo é um herói da democracia, então a democracia não se respeita a si própria. No caso vertente é o trambolho que, por raiva e frustração partidária, alardeando os mais reles sentimentos e a mais acabada das irresponsabilidades, trata um bandido, um terrorista, um assassino, por “herói”.

Para quem acha que o 25 de Abril valeu a pena não pode haver maior ofensa a tal data.

 

Adiante, que há mais porcaria. O autoproclamado dono, ou principal accionista, do 25 de Abril, outro general de aviário, depois promovido a coronel sabe-se lá porquê, um tipo que deixou de trabalhar, mas não de receber, há para aí trinta anos, passeou a sua porcina figura pelo largo do Carmo, onde fez um discurso que o camarada Jerónimo gostosamente subscreveria, e se declarou ali “com o povo”. Haveria que perguntar qual povo. E responder: qual povo qual carapuça! O que ali estava eram as hostes do Carlos, do Louçã, do Sousa e, com certeza, alguns incautos comproblemas, a servir de raminho de salsa: no fundo, os mesmos que haviam de ir à Avenida dar berros contra o governo, gritar, estilo Manel Alegre, contra as “ameaças à democracia”, como se ameaças à democracia não fossem a miserável apropriação e partidarização de uma data que devia ser de congratulação geral, o povo unido na comemoração da democracia, em vez de palco para acusações e gritaria.

 

Mas há mais. No Parlamento, três partidos e um penduricalho do PC dedicaram o tempo de antena a defender o indefensável – as omeletes sem ovos – em vez de louvar a Liberdade, ou na recorrente contumácia de confundir a Liberdade com a liberdade de ser socialista. Nem o Presidente escapou: as hordas que fazem profissão de fé num republicanismo à moda de Robespierre abstiveram-se de o aplaudir e ficaram sentados à sua entrada. A democracia, a própria República, para eles, ou é sinónimo do seu poder ou não é nem democracia nem república!

 

Não se sabe se esta pobre terra, alguma vez na vida, terá uma noção clara do que é importante e nos pode unir como povo, coisa que não é, nem o socialismo nem o imobilismo constitucional que tanto mal nos têm feito.

Mas é de esperar que, na hora da verdade, o povo propriamente dito, não a maralha do Soares e Cª, manifeste, e certamente manifestará, que o povo é outra coisa que não as multidões arregimentadas por gente que, dizendo defender a Liberdade e a Democracia, outra coisa não fazem que não seja senão pô-las pelas ruas da amargura.

 

25.4.14

 

António Borges de Carvalho

24 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D